Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 15/03/2013 - 12h00
Postado em Notícias

15/03/2013 12h00 - Postado em Notícias

Vendas externas de carne suína voltam a crescer em fevereiro

Os exportadores de carne suína faturaram, em fevereiro, US$ 108,31 milhões, crescimento de 12,37% sobre o mesmo período do ano passado, que alcançou US$ 96,39 milhões. A quantidade embarcada aumentou 7,97% com as vendas, que totalizaram 40,7 mil toneladas. Os dados divulgados ontem pela Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs) […]

Os exportadores de carne suína faturaram, em fevereiro, US$ 108,31 milhões, crescimento de 12,37% sobre o mesmo período do ano passado, que alcançou US$ 96,39 milhões. A quantidade embarcada aumentou 7,97% com as vendas, que totalizaram 40,7 mil toneladas.

Os dados divulgados ontem pela Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs) mostram que o segmento está ainda mais dinâmico do que em janeiro, quando as exportações haviam crescido 5,08%.

No acumulado do primeiro bimestre de 2013, as exportações aumentaram 6,52%, com o envio de 80.897 toneladas, e um volume financeiro de US$ 212,9 milhões, valor que é 9,87% acima do registrado nos meses de janeiro e fevereiro de 2012. O preço médio subiu 4% na comparação entre fevereiro deste ano com igual mês do ano passado, atingindo US$ 2.656 por tonelada.

Os principais destinos foram Rússia e Hong Kong. Em relação a fevereiro do ano passado, os russos ampliaram as compras em 84% (10.964 toneladas). Já Hong Kong, ficou na segunda posição no ranking dos maiores clientes, com a aquisição de 9.171 toneladas, mesmo tendo diminuído suas importações em 16%.

A Ucrânia é o terceiro maior consumidor da carne suína brasileira. Para esse mercado, seguiram 8.775 toneladas, um aumento de 11%. Também houve exportações significativas para Cingapura, Angola, Argentina e Uruguai. Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Goiás foram os estados que mais exportaram.

"Queremos melhorar ainda mais", disse um porta-voz da Abipecs, Jurandi Soares Machado, diretor de Mercado Interno da entidade, ao informar que o bom desempenho está muito associado à elevação gradativa das encomendas da Rússia, após o fim do embargo, em novembro passado.

O dirigente informou que o setor aguarda a abertura de novos mercados pelo mundo, entre eles os do Japão e da Coréia, mas disse que não há definição, por enquanto, sobre as tentativas de acordo do Brasil com os governos desses países.

No mês passado, o governo brasileiro informou que a China estava disposta a retomar as importações de carne de seis dos 20 frigoríficos do país inspecionados por agentes daquele país, no ano passado, sendo que um deles é de carne suína. A habilitação, no entanto, leva algum tempo e, de acordo com Machado, isso ainda não se refletiu sobre as exportações do setor.

De acordo com o divulgado em fevereiro deste ano pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para que o processo tenha início, a China pediu para que o Brasil enviasse a lista dos nomes dos veterinários encarregados de assinar o certificado sanitário emitido pelo estabelecimento exportador. O lado chinês se prontificou a anunciar o início das exportações por meio de uma publicação no site oficial daquele país.

Dos frigoríficos habilitados, o de suínos fica no Rio Grande do Sul e três de aves em Santa Catarina. São Paulo e Mato Grosso do Sul tiveram um frigorífico de aves autorizado cada.

DCI

imprensa@faep.com.br