Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 29/07/2015 - 10h28
Postado em Faep

29/07/2015 10h28 - Postado em Faep

Soja descola de Chicago e incentiva o plantio no Brasil

França Júnior abriu discussões em Ponta Grossa. Seminários seguem até primeira semana de agosto

No Dia do Agricultor (28), o início do circuito de seminários que a Federação da Agricultura do Paraná (Faep) promove a partir desta semana no Paraná mostrou que o produtor precisa adotar uma visão sistêmica do mercado, observando não apenas o que acontece no agronegócio, mas em toda a economia. Hoje, mais do que o tamanho da colheita ou dimensão do consumo, o que tem feito a diferença na renda do setor no Brasil é o câmbio, defendeu Flávio França Junior, analista que comanda o ciclo de palestras.

Num momento em que o mercado internacional de grãos aponta para baixo, o dólar surge como um fator altista no mercado interno, pontuou o analista durante apresentação a cerca de 50 pessoas em Ponta Grossa, ontem pela manhã.

“Se na Bolsa de Chicago tanto os fundamentos de oferta e demanda quanto os indicadores financeiros atuam negativamente sobre os preços dos grãos, no Brasil a dificuldade do governo em atrair capital especulativo [entrada de dólares no país] tem ajudado a sustentar as cotações domésticas da soja, do milho e do trigo em patamares elevados, detalhou o especialista.

Prova disso, citou o analista, é que os prêmios de exportação mantiveram-se positivos nos portos brasileiros mesmo durante o pico de safra e continuam sustentando indicações positivas para 2016 – conjuntura que deve levar o Brasil a ampliar, pelo nono ano consecutivo, a área destinada à soja no ciclo 2015/16.

Estimativas da França Jr Consultoria apontam para um aumento de 1 milhão de hectares, para 32,92 milhões de hectares. “Num passado um pouco mais distante, preços baixos freavam o plantio, mas não é isso que está acontecendo”, explicou.

A América do Sul bate recorde de produção de grãos há três anos consecutivos e os Estados Unidos, depois de quatro anos de safras problemáticas (2010 a 2013) tiveram uma temporada perfeita em 2014. “Neste ano estão tendo problemas com o clima, mas até que ponto isso irá impactar na produção… é preciso esperar o relatório do USDA do dia 12 de agosto para saber. Neste momento, a leitura que o comprador tem é de absoluta tranquilidade no abastecimento”, relatou França.

É possível a soja romper os US$ 11 ou voltar aos US$ 13 por bushel em Chicago? França acredita que sim. “Mas, para isso, é preciso um fato novo que mude o cenário fundamental de sobreoferta”, pondera.

Serviço:

Seminário Tendências de Mercado de Grãos de Soja, Milho e Trigo: A bateria de palestras sobre as tendências para os mercados de soja, milho e trigo no Brasil começou ontem (28) pelos Campos Gerais, com apresentações em Ponta Grossa pela manhã e Guarapuava à noite. Na sequência, o evento segue para o Sudoeste e Oeste do estado, com palestras no período da manhã em Pato Branco nesta quarta-feira (29), Cascavel na quinta (30) e Medianeira na sexta (31). No segundo ciclo, em agosto, o circuito de palestras passa por Cornélio Procópio (dia 6 pela manhã), Londrina (dia 6 à noite) e Maringá (dia 7 pela manhã). No seminário, o analista Flávio França Júnior aponta as melhores estratégias para planejamento e venda da produção e técnicos da Faep apresentam mudanças recentes no crédito e seguro rural, esclarecendo as dúvidas dos produtores.

Fonte: Gazeta do Povo

Título da Postagem: Soja descola de Chicago e incentiva o plantio no Brasil

imprensa@faep.com.br