Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 13/12/2013 - 10h25
Postado em Agronegócios, Infraestrutura, Logística

13/12/2013 10h25 - Postado em Agronegócios, Infraestrutura, Logística

Sobrecarga eleva “multa” a exportadores de Paranaguá

Apesar da fila de navios ao largo do Porto de Paranaguá ter caído a um terço em seis meses, a demurrage, uma espécie de multa paga pelos contratantes quando a espera para carregamento vai além do previsto, deve chegar a US$ 200 milhões neste ano.

Navios em fila em Paranaguá: gasto extra de até US$ 40 mil por dia

Navios em fila em Paranaguá: gasto extra de até US$ 40 mil por dia

 

Apesar da fila de navios ao largo do Porto de Paranaguá ter caído a um terço em seis meses, a demurrage, uma espécie de multa paga pelos contratantes quando a espera para carregamento vai além do previsto, deve chegar a US$ 200 milhões neste ano. O valor indica que a sobrecarga no Corredor de Exportação paranaense aumentou pelo menos um terço em relação a 2011 e colocou a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) em alerta. Em balanço apresentado ontem na última etapa do Ciclo de Palestras da Gazeta do Povo, o diretor empresarial da entidade, Lourenço Fregonese, assumiu esse quadro e prometeu soluções para 2014, ano que promete safra e exportações recordes.

Projeções oficiais indicam que o Brasil terá de exportar no próximo ano mais de 60 milhões de toneladas de grãos, óleo e farelo de soja, 6% mais do que neste ano. Boa parte desse volume deve sair pelo porto paranaense. De janeiro a novembro deste ano, Paranaguá embarcou volume 10% superior ao movimentado no mesmo período do ano passado, ou 13,5 milhões de toneladas dos três itens. Com o aumento da movimentação, houve congestionamentos de navios em alto mar e a fila de espera para atracação no porto ultrapassou 40 dias, conforme os traders. Em julho, havia mais de 110 embarcações ao largo da Baía de Paranaguá. Ontem, segundo o site da Appa, eram menos de 50.

Os gastos diários para manter um navio ao largo além do tempo previsto em contrato podem chegar a US$ 40 mil e incluem despesas com alimentação, hospedagem ou troca dos tripulantes, além de manutenção marítima. “Este ano, além de ter sido extremamente chuvoso, o que paralisa os carregamentos, perdemos muito tempo por falta de dragagem no acesso ao porto. Quando um navio encosta ao fundo, é preciso esperar até 10 horas pelo aumento da marɔ, explica Fregonese. Outras 9 mil horas foram perdidas durante as pausas para carregamentos em terminais diferentes no Corredor de Exportação de Paranaguá, conforme dados da Appa. Atualmente, maior parte dos navios que atraca no porto faz mais de três paradas para pegar cargas de diferentes exportadores antes de seguir viagem.

Bancos preveem reviravolta na busca por financiamentos

O real interesse do agronegócio em financiar a construção de armazéns, aproveitando os R$ 5 bilhões do crédito rural anunciados em junho, ainda não foi sentido pelos bancos. O tempo gasto nos últimos meses para elaboração e análise de projetos adia esse diagnóstico. Os agentes suspeitam que a viabilidade dos silos e secadores – que depende do tamanho da fazenda e de sua localização – ainda não foi medida pelos produtores. Uma reviravolta deve ocorrer, porém, nos próximos meses.

No Ciclo de Palestras Informação e Análise do Agronegócio, da Gazeta do Povo, o BRDE confirmou que o programa ainda “não decolou”. Para Alexandre Accioly, da gerência de Planejamento do banco, a nova linha de crédito ainda não foi popularizada. “O produtor não conhecia o programa. A procura deve aumentar no começo do ano, com maior divulgação e as feiras agrícolas.”

A Federação de Agricultura do Paraná (Faep) assegura que estruturas de menor porte também são viáveis para agricultores com áreas de menos de 100 hectares. “A partir de 420 sacas de capacidade, é possível fazer um armazém viável economicamente”, argumenta Nilson Hanke Camargo, assessor da instituição.

 

Fonte: Gazeta do Povo – 13/12/2013

Título da Postagem: Sobrecarga eleva “multa” a exportadores de Paranaguá

imprensa@faep.com.br