Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 10/10/2012 - 12h00
Postado em Notícias

10/10/2012 12h00 - Postado em Notícias

Safra é recorde, mas produtor teme pelo atraso na entrega de insumos

Os preços ajudaram e os produtores vão elevar a área de plantio. O resultado será uma produção recorde de grãos, próxima de 182 milhões de toneladas. Isso se o clima for favorável durante o desenvolvimento da safra. A área semeada em 2012/13 está estimada em 52,2 milhões de hectares. Se confirmada, superará em 3% a […]

Os preços ajudaram e os produtores vão elevar a área de plantio. O resultado será uma produção recorde de grãos, próxima de 182 milhões de toneladas. Isso se o clima for favorável durante o desenvolvimento da safra.

A área semeada em 2012/13 está estimada em 52,2 milhões de hectares. Se confirmada, superará em 3% a anterior. A produção está baseada em dois produtos: soja e milho, que somam 156 milhões de toneladas, 85% do total de grãos do país.

Os dados são da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que prevê uma estabilidade na produção de arroz, o terceiro maior produto da lista nacional: 11,7 milhões de toneladas.

Glauber Silveira, presidente da Aprosoja Brasil, entidade que congrega produtores do país, diz que esse volume de produção pode ser ainda maior. No caso da soja, a área poderá crescer próximo de 3 milhões de hectares.

Se a safra correr bem, e alguns Estados, como o Rio Grande do Sul, voltarem à produtividade normal, a produção será expressiva, diz.

Apesar desse cenário otimista, os produtores estão preocupados com o atraso na entrega de sementes e de adubos. Pior ainda, diz Silveira, os insumos químicos subiram de preço e há falta de alguns deles.

Mato Grosso terá o maior avanço de área e o Estado destinará 6,4% mais terra do que em 2011/12 para a produção. A área deverá atingir 11,7 milhões de hectares.

A região Sul vem a seguir, com aumento de 1,2% na área, devido ao crescimento de 4% no Rio Grande do Sul.

A área de milho cai para 14,9 milhões de hectares no país, enquanto a produção fica estável em 73 milhões de toneladas.

MILHO As exportações nacionais de milho começam mais uma vez em ritmo forte. A primeira semana deste mês teve uma média de exportações de 170 mil toneladas por dia útil.

A média diária do mês passado foi de 166 mil, com as exportações totais superando 3 milhões, segundo a Secex.

VOLÁTEIS  Os mercados de commodities estão extremamente dinâmicos e voláteis. Vários fatores influenciam ou podem influenciar as cotações a qualquer momento.

AGRÍCOLAS A avaliação é de Pedro Dejneka, diretor do Grupo Latam Commodities, de Chicago. Para ele, os fundamentos dos mercados agrícolas, por ora, devem ter sustentação.

LÍDER A Rússia é o segundo maior destino da carne suína brasileira, mas paga mais. Já a liderança nas compras em volume fica com a Ucrânia, segundo a Abipecs (associação de produtoras e exportadores).

Estoque nacional de milho sobe; o de arroz despenca

A estimativa de grande produção nesta safra que se inicia vai reposicionar os estoques brasileiros de grãos.

Esses volumes devem ser um indicativo de preços para os produtores. Os estoques de milho e de soja sobem, enquanto o de arroz desce para patamares bem baixos.

Para a Conab, o estoque final de milho vai a 17,7 milhões de toneladas na safra 2012/13, com alta de 72% sobre o da anterior e 200% mais do que o de 2010/11.

O volume de soja, em apenas 945 mil toneladas em 2011/12, vai a 5 milhões no final desta safra que se inicia.

O arroz terá cenário inverso. Tradicionalmente próximo de 2,5 milhões de toneladas por safra, deve recuar para apenas 900 mil em 2012/13.

O volume de feijão não terá grande alteração neste final de safra, ficando em 328 mil toneladas, próximo das 300 mil de 2011/12.

Folha.com – São Paulo/SP

imprensa@faep.com.br