Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 03/02/2017 - 14h10
Postado em Crédito Rural, Destaques

03/02/2017 14h10 - Postado em Crédito Rural, Destaques

Refúgio financeiro

Mesmo em meio à crise econômica, cooperativas de crédito dobraram montante de financiamento agrícola, enquanto bancos registraram crescimento modesto

Nos últimos anos, os produtores rurais paranaenses têm mudado a forma, ou melhor, a origem da tomada crédito para o financiamento do pré-custeio da safra, investimento em maquinário e tecnologia e comercialização da produção. Entre 2013 e 2016, as principais cooperativas de crédito do Estado mais do que dobraram a liberação de recursos para financiamento, enquanto o sistema bancário tradicional teve crescimento modesto, na casa dos 10%, ou até mesmo redução nos contratos. De acordo com dados fornecidos pelas próprias entidades, CrediAliança, Sicredi e Cresol registraram, considerando os valores de 2013 e 2016, crescimento de 107,8%, 112,8% e 113,7%, respectivamente.

No mesmo período, o Banco do Brasil, principal financiador do agronegócio brasileiro, viu seus negócios com o meio rural aumentarem 14,1%. Já o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) amarga uma queda de 7,7%. (veja o gráfico) Essa mudança de comportamento no campo tem lastro em uma série de fatores, potencializados durante a crise econômica dos últimos anos, e que não tem data para terminar. Em diversos casos, por conta da alta inadimplência, os bancos têm exigido mais garantias, dificultando o acesso ao crédito.

Na contramão, segundo o economista e sócio da Moneyplan Consultoria, Fernando Meibak, as cooperativas não estão restringindo a liberação do dinheiro por entender que o produtor também é dono da instituição, e prioriza o pagamento das parcelas do empréstimo.

Para ler a matéria completa clique aqui

Título da Postagem: Refúgio financeiro

imprensa@faep.com.br