Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 06/06/2012 - 12h00
Postado em Notícias

06/06/2012 12h00 - Postado em Notícias

Puxada pelo milho, colheita de grãos supera expectativas

Apontada como grande vilã do fraco desempenho da economia brasileira no primeiro trimestre, a produção agrícola da safra 2011/12 pode ser maior do que se previa até maio. Conab e IBGE revisaram ontem para cima suas estimativas de colheita – para o IBGE, a safra de grãos deve ser ligeiramente superior à do ano passado […]

Apontada como grande vilã do fraco desempenho da economia brasileira no primeiro trimestre, a produção agrícola da safra 2011/12 pode ser maior do que se previa até maio. Conab e IBGE revisaram ontem para cima suas estimativas de colheita – para o IBGE, a safra de grãos deve ser ligeiramente superior à do ano passado – e confirmaram que a produção de milho deve mesmo superar à de soja neste ano.

A Conab elevou em pouco mais de 1 milhão de toneladas (0,73%) sua estimativa para a produção de grãos e fibras da safra 2011/12, a 161,23 milhões de toneladas de grãos nas safra 2011/12, em levantamento mensal divulgado ontem. A estatal revisou para baixo, em 1,2%, a estimativa de área plantada, para 51,04 milhões de hectares. Em compensação, a produtividade foi elevada em 2%, a 3.159 toneladas por hectare, mais do que compensando a área menor.

Feitos os ajustes, o retrato momentâneo da safra 2011/12 aponta para um aumento de 2,4% na área plantada e queda de 3,2% no rendimento médio das lavouras, na comparação com a safra anterior. Já a colheita total deve ser 1% inferior à registrada no ano passado, de 162,8 milhões de toneladas.

Mais uma vez, a estatal reduziu (em 0,5%) sua estimativa para a produção de soja, de 66,68 milhões para 66,36 milhões de toneladas. Com isso, a safra deste ano deve ser 11,9% inferior à do ano passado, quando o país colheu 75,32 milhões de toneladas da oleaginosa.

Commodity com maior peso no valor bruto da produção, a soja foi castigada pela seca no Sul no país. Paraná e Rio Grande do Sul, dois dos três maiores produtores do país, viram sua produção cair 29,4% e 43,8%, respectivamente, em relação à safra 2010/11.

A Conab também cortou (em 2,3%) sua estimativa para a primeira safra de milho, já concluída, de 35,72 milhões para 34,89 milhões de toneladas. Em compensação, elevou em 9% sua projeção para a colheita da segunda safra (chamada de safrinha), de 30,17 milhões para 32,89 milhões de toneladas – um salto de 53,1% em relação à safra 2010/11. Com isso, a produção total de milho deve ser 2,8% maior do que a estimada em julho e 18,1% superior à do ano passado, somando 67,79 milhões de toneladas.

O resultado é que, pela primeira vez nesta temporada, a Conab admite uma produção de milho superior à de soja na safra 2011/12 – o que não acontecia desde o ciclo 2001/02. Os números da Conab destacam ainda os efeitos da seca no semiárido nordestino. As culturas de feijão e de milho apresentam perdas superiores a 80%. No estado do Rio Grande do Norte, estima-se uma perda de 89,6% na produção de feijão e de 91,9% no milho. No Ceará, as perdas são de 84,7% e 87,0%, respectivamente.

Fonte: Valor Econômico – 6/06/2012

imprensa@faep.com.br