Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 08/07/2013 - 12h00
Postado em Notícias

08/07/2013 12h00 - Postado em Notícias

Produtores ‘correm’ para colocar colheita em dia

Depois de muita chuva, os produtores estão aproveitando os dias secos para colocar a colheita do milho safrinha em dia. Os números do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e Meio Ambiente (Seab) apontam que somente 5% de toda a área plantada foi colhida. No mesmo período do ano passado, […]

Depois de muita chuva, os produtores estão aproveitando os dias secos para colocar a colheita do milho safrinha em dia. Os números do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e Meio Ambiente (Seab) apontam que somente 5% de toda a área plantada foi colhida. No mesmo período do ano passado, já haviam sido 15%. Segundo os órgãos estaduais, é cedo para avaliar se o excesso de pluviosidade trará prejuízos, mas certamente haverá queda de qualidade.

Maioria das lavouras está na fase de colheita

Em relação ao ano passado, a área plantada passou de 314 mil hectares na safra 2011/2012 para 338 mil hectares nesta safra, um aumento de 4%. O último relatório do Deral, feito em 24 de junho, apontou que é esperado para a colheita quase dois milhões de toneladas de grãos – 11% a mais do que em 2012. Apesar do atraso, o economista do Deral, Anderson Roberto dos Santos explicou que ainda é cedo para dizer de quanto será o prejuízo. "Não acredito que tenhamos quebra, a expectativa era muito boa. Essa chuva influencia mais na qualidade do grão do que na produtividade", comenta.

Na última semana, com quatro dias de sol, as máquinas da propriedade de Edicar Kungel, trabalharam para recuperar o tempo perdido. Como o milho estava um pouco atrasado, ele acredita que não haverá perdas nesta safra. "Não tivemos esse problema, a expectativa continua boa. Mas sabemos que alguns vizinhos estão preocupados, com grãos ardidos e espigas que germinaram."

Segundo ele, o resultado desta safra deve ser ainda melhor do quem a do ano passado. "Na safrinha 2012 a gente teve algumas perdas em função de doenças, mas esse ano está tudo bem. Conseguimos controlar no começo e torcemos para ser uma safra cheia", completa.

O único problema que as chuvas trouxeram para a família Kungel foram as perdas com a soja safrinha. "Quando começou, o grão já estava quase no ponto da colheita e foram duas semanas sem nenhum intervalo. Acabou germinando um pouco e perdemos bastante", diz. A família plantou 72 hectares de milho safrinha e 36 hectares de soja safrinha.

Próximos plantios

Mesmo com a demora na colheita do grão não deverá haver atrasos no plantio da soja na safra 2013/14 devido ao intervalo normal entre as culturas. Se o tempo continuar colaborando, os produtores devem terminar sua colheita em agosto. A soja só pode ser plantada depois do dia 15 setembro, quando termina o vazio e o zoneamento indica que seu plantio comece em outubro.

Sem previsões

Em junho foram registrados 363 mm de chuva, enquanto a média histórica é de 125. Esse foi o junho mais chuvoso dos últimos 16 anos. O maior volume para a época havia sido registrado em 1997 e, ainda sim, era inferior: 347 mm, segundo o Instituto Simepar.

De acordo com o economista do Deral, não há novas previsões de chuva para a colheita, o que anima os produtores. Os meses de julho e agosto serão os mais secos do ano. Segundo previsão do Instituto Simepar, o inverno do Paraná será típico: seco, com entrada de várias massas de ar frio que derrubarão as temperaturas e poderão inclusive causar geadas.

imprensa@faep.com.br