Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 03/10/2014 - 11h01
Postado em Grãos, Soja

03/10/2014 11h01 - Postado em Grãos, Soja

Prêmio para soja da nova safra sobe nos portos do Brasil

Segunda principal porta de saída dos grãos, Porto de Paranaguá ganhou eficiência nos embarques este ano, na avaliação de operadores

Os prêmios oferecidos por compradores internacionais nos portos brasileiros para a nova safra de soja do país subiram nas últimas semanas e estão acima dos patamares vistos um ano atrás, numa indicação de que o mercado tenta destravar as vendas antecipadas do produto. O prêmio oferecido para a soja no porto de Paranaguá com entrega em março é de US$ 0,81 por bushel sobre a cotação da bolsa de Chicago, segundo dados do terminal Thomson Reuters Eikon.

Um mês atrás, o prêmio oferecido para março, período de forte fluxo de soja no porto, era de US$ 0,63 centavos. No início de outubro de 2013, o prêmio ofertado para a soja em março de 2014, era praticamente nulo, de apenas US$ 0,08 centavos. “Temos um volume bem menor de vendas antecipadas. Talvez o prêmio esteja positivo numa tentativa de atrair esse vendedor”, disse o pesquisador Lucílio Alves, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), que faz levantamentos de preços em toda a cadeia da soja.

Incêndio registrado há uma semana no porto paulista pode interferir nos números de agostoCom bônus de US$ 2,5 por saca, Paranaguá rouba milho de Santos
As vendas antecipadas da safra 2014/15, que está começando a ser plantada e será colhida no primeiro semestre do ano que vem, estão em 13% do volume previsto, contra 28% um ano atrás, segundo estimativa mais recente divulgada pela consultoria Safras & Mercado. Muitos produtores estão sentido na prática os efeitos da queda das cotações internacionais da soja, que acumulam perdas de cerca de 30% na bolsa de Chicago desde janeiro e operam nos menores patamares em quase cinco anos.

“Com o preço que está sinalizando, o pessoal não está querendo vender”, disse o agricultor Laércio Lenz, que também é presidente do Sindicato Rural de Sorriso (MT), o principal município produtor de soja do país. “Fizemos a compra de insumos com recursos próprios, com a soja em alta”, contou ele. Lenz disse que recebeu esta semana oferta de duas empresas para fechar negócio para entregar soja em fevereiro a R$ 40 por saca. Um ano atrás, o valor dos negócios estava acima de R$ 50. “É uma perda de mais de 20%”, disse. Os custos de produção naquela região de Mato Grosso está entre R$ 38 e R$ 38,50 por saca, estimou Lenz.

Analistas explicam que os preços oferecidos aos produtores nas regiões de origem são geralmente fixados pelas tradings após o fechamento dos contratos de exportação. Os preços no porto, portanto, têm relação direta com os negócios no interior do país, após a conversão cambial e o desconto de custos, dentre os quais o frete é o mais relevante.

Venda travada
“Todos com quem conversamos no mercado comentam a mesma coisa: não tem soja”, disse a analista Andrea Cordeiro, da Labhoro Corretora. “Essa ausência de vendedores é um dos fatores que têm motivado essa valorização dos prêmios.” Ela ressalta que as cotações mais baixas do bushel de soja em Chicago também criam mais espaço para que os compradores internacionais ofereçam prêmios superiores aos do ano passado. Os preços da oleaginosa têm sido pressionados por uma ampla oferta global, em um momento em que os Estados Unidos estão começando a colheita de uma safra recorde e com as perspectivas de mais uma temporada com aumento de produção no Brasil.

No momento, o sentimento entre os produtores –bastante capitalizados após consecutivas safras realizando vendas a preços elevados– é de aguardar uma eventual melhora dos preços. O gerente da unidade de recebimento de grãos de uma grande trading em Nova Mutum (MT) disse que há pouco interesse por parte dos produtores em fechar negócios. “O pessoal fala que ‘se for para fazer um mau negócio, prefiro fazer na hora em que as contas vencerem’”, contou o executivo, que pediu para não ter o nome revelado. Para Lenz, os agricultores preferem aguardar o desenvolvimento da safra da América do Sul. “Qualquer problema que dê em alguma região produtora, pode recuperar um pouco o preço… Vai depender muito de clima no Sul (do Brasil) e na Argentina”, afirmou o produtor.

 

Fonte: Gazeta do Povo – 02/10/2014

Título da Postagem: Prêmio para soja da nova safra sobe nos portos do Brasil

imprensa@faep.com.br