Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 25/04/2013 - 12h00
Postado em Notícias

25/04/2013 12h00 - Postado em Notícias

Preços de commodities caem mais no mês

O agronegócio, responsável por uma boa sustentação das contas externas do país na última década, deve participar menos neste ano do saldo da balança comercial. O volume exportado não terá grandes alterações em alguns casos, como o da soja, vai até subir. O problema são os preços, que continuam em queda neste ano. Após o […]

O agronegócio, responsável por uma boa sustentação das contas externas do país na última década, deve participar menos neste ano do saldo da balança comercial.

O volume exportado não terá grandes alterações em alguns casos, como o da soja, vai até subir. O problema são os preços, que continuam em queda neste ano.

Após o recorde, atingido em setembro do ano passado, os preços das commodities começaram a recuar nas Bolsas. Essa queda ocorre não só porque os preços atingidos eram impraticáveis para a economia, como também porque mudou o cenário de produção mundial.

Após a forte seca que reduziu a produção em várias partes do mundo, principalmente nos Estados Unidos, está havendo uma recomposição de estoques de grãos.

Um dos exemplos é o carro-chefe das commodities agrícolas do Brasil, a soja. Após fechar 2012 com valor próximo de US$ 667 por tonelada, a oleaginosa está em US$ 532 neste mês.

A queda é natural, em vista do período de safra na América do Sul. As perspectivas para os próximos meses, no entanto, não indicam um cenário favorável.

No caso brasileiro, parte dessa queda nos preços será compensada pelo volume recorde a ser exportado.

Dois outros produtos de peso na balança do agronegócio, café e açúcar, seguem a mesma tendência. A saca de café, negociada a US$ 211, em média, no final de 2012, está em US$ 177. Esse preço é 29% inferior ao de há um ano.

O açúcar bruto, que terminou o ano com valor médio de US$ 505 por tonelada, está em US$ 453, queda de 22% ante abril do ano passado.

Já as carnes vão na contramão. O volume exportado recua, ante igual período de 2012, mas os preços sobem, à exceção da carne bovina.

A tonelada de carne "in natura" de suíno subiu para US$ 2.995 neste mês, 9,5% mais do que em 2012. No mesmo período, a carne de frango atingiu US$ 2.186 por tonelada, com alta de 16%.

A exportação de carne bovina subiu 27%, mas com recuo de 8% no preço.

Do lado dos metais, o minério de ferro, líder nas exportações, tem valor médio de US$ 108 por tonelada neste mês, 8% mais do que em abril de 2012. O volume exportado, porém, é menor.

Um encontro de peso acontece hoje na cidade de Marau (RS). Quatro ex-ministros da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Francisco Turra, Pratini de Moraes, Roberto Rodrigues e Alysson Paulinelli) se encontram para debater oportunida- des para o agronegócio. Logística e agregação de valor estarão na lista, de acordo com Turra, presidente da Ubabef (União Brasileira de Avicultura).

Debate O setor de café terá encontro mundial em São Paulo no final de maio. O objetivo é debater tendências e desafios da cafeicultura brasileira e mundial.

Arábica x robusta Organizado pelo Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil), o 5º Fórum Coffee & Dinner vai discutir os novos movimentos de substituição de cafés arábicas por robustas observados no ano de 2012.

Cápsulas Na lista de temas que serão debatidos por especialistas do setor estarão também os efeitos trazidos pelas novas formas de consumo (cápsulas, monodoses, máquinas nos lares, cafés diferenciados) e o impacto no suprimento.

Ainda mais O preço do frango recuou ainda mais ontem nas granjas de São Paulo e de Minas Gerais. Os produtores desses dois Estados receberam apenas R$ 1,90 por quilo de ave viva, segundo cotações da Jox.

PETRÓLEO
+2,52%
Ontem, em Nova York

ZINCO
+1,72%
Ontem, em Londres

Folha de S. Paulo

imprensa@faep.com.br