Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 20/11/2012 - 12h00
Postado em Notícias

20/11/2012 12h00 - Postado em Notícias

PR e MT encerram plantio juntos e sem extrapolar prazo

Responsáveis por metade da produção nacional de soja, produtores paranaenses e mato-grossenses concluem semeadura da oleaginosa em dez semanas de trabalho

O plantio de soja e milho passou de 90% nesta semana e deve ser encerrado ainda em novembro em Mato Grosso e no Paraná, apurou a Expedição Safra Gazeta do Povo. Responsáveis por metade da produção nacional da oleaginosa e por 20% da safra do cereal no verão, os dois estados vão concluir a semeadura praticamente juntos, após um período de chuvas localizadas que alterou a ordem dos trabalhos de campo. Técnicos e jornalistas percorreram a região de Mato Grosso ao Rio Grande do Sul nas últimas três semanas e, a partir de hoje, vão monitorar o cultivo de São Paulo ao Piauí.

O Paraná tomou a frente e deu início ao plantio há oito semanas, tarefa normalmente registrada em Mato Grosso. Nas regiões Oeste e Sudoeste paranaenses, as lavouras de soja mais adiantadas começam a florescer. Os técnicos da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab) avaliam que praticamente todas as áreas semeadas (de 94% a 99%) estão em boas condições. Isso significa que os 4,4 milhões de hectares plantados (dos 4,87 milhões reservados à soja) chegam ao primeiro mês com potencial para superar em um terço o rendimento do ano passado, quando o estado foi afetado pela seca.

Em Mato Grosso, as regiões mais atrasadas são o Oeste e o Centro-Sul. Ainda assim, o plantio já atingiu 40% e 70%, respectivamente, conforme o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Mesmo nessas regiões, em Sapezal e Diamantino, por exemplo, fazendas de mais de 10 mil hectares concluíram os serviços. Os produtores e técnicos relatam que chuvas localizadas fizeram com que a evolução dos trabalhos ocorresse de forma compassada, mas alcançasse as médias dos últimos anos.

Eles preveem que a semeadura será concluída ainda em novembro, incluindo o replantio das áreas prejudicadas por falta de umidade, que são exceção. Como as chuvas agora são suficientes e as sementes foram distribuídas na época historicamente mais produtiva, os 7 milhões de hectares semeados (de 7,89 milhões previstos) prometem superar a estimativa de 3 mil quilos de grãos por hectare em Mato Grosso.

No Médio-Norte – maior polo de produção de soja do estado e do país – o plantio foi dado por encerrado em Lucas do Rio Verde, Ipiranga do Norte, Nova Ubiratã, Sorriso e Vera. Há previsão de chuvas diárias – de 5 mm a 20 mm – para municípios que enfrentam falta de umidade, como Comodoro (Oeste) e Cáceres (Centro-Sul).

O mercado continua estimulando a produção e justificando o replantio, com a saca de soja a R$ 65 em Sorriso. Segundo o Imea, mais de 63% da produção prevista foram vendidos antecipadamente, índice dez pontos acima do verificado um ano atrás. O histórico de 2012 embala a safra. Foi a primeira que Mato Grosso conseguiu exportar mais de 2 milhões de toneladas de soja num único mês. Isso aconteceu em março e se repetiu em maio. A dois meses do fim do ano, o estado ultrapassou seu recorde anual de exportação da oleaginosa, que era de 10,6 milhões de toneladas (2009).

Gazeta do Povo – José Rocher

imprensa@faep.com.br