Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 08/01/2015 - 10h33
Postado em Milho

08/01/2015 10h33 - Postado em Milho

Paraná deverá produzir menos milho safrinha em 2015

Se projeção for confirmada, volume produzido cairá de 11,4 milhões de toneladas para 10,55 milhões

A exemplo dos Estados do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, que anunciaram a redução da área com o plantio do milho safrinha, em 2015, no Paraná, onde o safrinha tem alcançado recorde sobre recorde, nos últimos anos, deverá plantar e colher, no ano que vem, menos do que na safra que acabou de ser colhida, em agosto.

Na primeira estimativa, o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento prevê uma redução entre 4% e 5%, mas não descarta a possibilidade de o número de agricultores que abrirão mão do milho ser ainda maior. Na região de Mandaguari, Marialva, Kaloré, até Ortigueira, última área a plantar a soja de verão, a redução do safrinha poderá passar de 30%.

Desta vez não são preços baixos os responsáveis pela redução – ontem, a saca de 60 quilos alcançou R$ 21,50, na região de Maringá, valor que os produtores consideram ”aceitável” -, mas as condições climáticas que imperaram em outubro e retardaram o plantio da soja de verão.

De acordo com o economista Dorival Basta, do Deral, em Maringá, no norte e noroeste do Paraná alguns produtores só conseguiram plantar a soja 20 ou 30 dias depois do que previam e, isso, pode significar que haverá atraso também na hora de colher.

“Na região de Floresta e Ivatuba, teve produtor plantando na primeira quinzena de setembro objetivando colher no fim de janeiro e iniciar imediatamente o plantio do milho safrinha”, destaca o técnico do Deral. Ele ressalta que “esta pressa” é para que o safrinha esteja no ponto de colheita antes de agosto, quando geralmente ocorrem geadas na região.

Enquanto alguns produtores plantaram no início de setembro, outros, mais ao norte, só conseguiram colocar o grão na terra em novembro e, para esses, será praticamente impossível colher antes da segunda quinzena de fevereiro e alguns poderão estar retirando soja do campo em março.

“Desde novembro que as cooperativas e os próprios produtores anteviam que seria difícil aproveitar a janela para o plantio do safrinha”, comenta Claudemir Barbosa, do setor de comercialização de sementes da Cooperativa Agropecuária e Industrial de Mandaguari (Cocari).

Segundo ele, as cooperativas fizeram um estoque menor, em relação à safra anterior, de sementes de milho. “Em compensação, aumentamos a disponibilidade de sementes de trigo, que certamente será o substituto para quem acha que será tarde demais para plantar milho”, declara. O trigo é mais resistente a geadas do que o milho.

De acordo com o Deral, se a redução for de 4%, o volume de milho de segunda safra no Paraná cairá de 11,4 milhões de toneladas para cerca de 10,55 milhões.

O Deral prevê redução também no plantio de feijão, cultura que, pelos preços baixos, desestimula o produtor. A redução da área, no Paraná, deverá ser em torno de 18% menor, caindo 272 mil hectares para 223 mil.

Dos 230 mil hectares dos 30 municípios da região de Maringá destinados a culturas rotativas, normalmente o milho ocupa cerca de 210 mil hectares, mas os técnicos das cooperativas e da Secretaria da Agricultura acreditam que, pela primeira vez, nos últimos anos, a área a ser ocupada com o grão será inferior a 200 mil hectares. Segundo Barbosa, da Cocari, a redução da área com milho só não será maior, porque os preços do trigo não animam os agricultores.

Fonte: Cultivar

Título da Postagem: Paraná deverá produzir menos milho safrinha em 2015

imprensa@faep.com.br