Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 08/01/2013 - 12h00
Postado em Notícias

08/01/2013 12h00 - Postado em Notícias

Irrigação cresce e atinge 5% da área dedicada aos grãos

Antes considerada um luxo, a irrigação artificial cobre área cada vez maior na agricultura brasileira, incluindo lavouras destinadas à produção de grãos. As mudanças climáticas – que ampliam as incertezas em relação ao tempo – e a alta nos preços das commodities ajudam a ampliar os investimentos dos produtores rurais em redes capazes de molhar […]

Antes considerada um luxo, a irrigação artificial cobre área cada vez maior na agricultura brasileira, incluindo lavouras destinadas à produção de grãos. As mudanças climáticas – que ampliam as incertezas em relação ao tempo – e a alta nos preços das commodities ajudam a ampliar os investimentos dos produtores rurais em redes capazes de molhar terreno equivalente a 200 campos de futebol.

Os números da Agência Nacional de Águas (ANA), responsável pela outorga do uso da água de rios interestaduais, registram essa expansão. De acordo com o último levantamento, realizado em 2010, 5,4 milhões de hectares são irrigados no país. Essa área é 23% maior que a aferida em 2006 (4,4 milhões de hectares). Desse total, 2,6 milhões de hectares são usados na produção de grãos, principalmente arroz (1,13 milhão), soja (624 mil), milho (559 mil), feijão (315 mil) e trigo (58 mil).

A dificuldade de obtenção de crédito junto aos bancos limita a expansão da irrigação artificial e o aumento da produtividade das lavouras brasileiras. Apesar de existirem programas federais de incentivo ao financiamento, as instituições financeiras relutam em liberar os empréstimos por falta de garantias. O custo da irrigação gira em torno de R$ 6 mil por hectare.

"Como a irrigação é um sistema específico, que depende do tamanho da área, isso complica o crédito. É difícil convencer os bancos a liberarem o dinheiro, pois, em caso de não pagamento, eles não podem tomar a estrutura, que muitas vezes é imensa", explica Demetrios Christofidis, coordenador de Infraestrutura Rural, Logística da Produção e Agropecuária Irrigada do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Crédito

Uma das opções para que o produtor obtenha o dinheiro é o Programa de Incentivo à Irrigação e à Armazenagem (Moderinfra), do Mapa, com juros de 5,5% ao ano. O limite de crédito é de até R$ 1,3 milhão por cliente, para empreendimento individual, e até R$ 4 milhões, para empreendimento coletivo. O valor pode ser quitado em até 12 anos, já incluso período de carência de três anos.

"É fundamental que o pessoal conheça o quanto a irrigação melhora o rendimento das lavouras para investir", diz o executivo do Mapa.

"Os pedidos [para uso de irrigação] têm aumentado bastante. Por conta das mudanças climáticas, os produtores estão conscientes de que se não irrigarem não vão produzir tanto quanto gostariam", ressalta Demetrios Christofidis, coordenador de Infraestrutura rural, logística da produção e agropecuária irrigada do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Potencial

Apesar do crescimento significativo dos últimos anos, o país está longe de atingir a sua capacidade de área irrigada. A ANA projeta que o sistema de uso de água de rios tem potencial para ocupar 30 milhões de hectares.

"A média de áreas irrigadas no Brasil cresce entre 120 e 200 mil hectares/ano. O ideal é que a taxa fosse o dobro para aumentar a oferta de alimentos sem precisar ocupar outras regiões", diz Antônio Felix Domingues, coordenador de articulação e comunicação da ANA. "Neste ritmo, o Brasil terá 15 milhões de hectares irrigados em 2035. Temos potencial para crescer mais rápido", projeta Christofidis.

Expansão

Nas principais culturas, as áreas irrigadas são pequenas. No caso da soja, fica 2,3% e no milho, 7,1%. Nessas áreas, no entanto, a produtividade ultrapassa em até 50% as médias regionais. Produtores baianos como Ricardo Basso alcançam até 80 sacas de soja por hectare. Ele planta soja irrigada neste ano pela primeira vez, depois de ter alcançado R$ 81 por saca em média em 2011/12.

"Via de regra, a produção de grãos no Brasil não é sob irrigação. O pessoal opta por utilizar o sistema em culturas de alto risco como frutos, verduras, legumes e flores. Nestes casos, 99% da produção é irrigada", relata Domingues, coordenador na ANA. Segundo dados da Agência Nacional de Aguas, a cana-de-açúcar e o arroz são os principais cultivos que utilizam o sistema com 3,8 milhões e 1,2 milhões de hectares, respectivamente.

"Se houver incentivo, é possível dar um impulso de ordem de grandeza semelhante a quanto a irrigação melhora o rendimento", diz Christofidis, executivo do Ministério da Agricultura. Com o sistema, é possível elevar a produtividade em até três vezes.

Jornal de Maringá

imprensa@faep.com.br