Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 31/03/2015 - 12h34
Postado em Agronegócios, Milho, Soja, Trigo

31/03/2015 12h34 - Postado em Agronegócios, Milho, Soja, Trigo

Informe – SOJA, MILHO E TRIGO 31/03/2015

Confira a análise econômica da FAEP dos preços da soja, milho e trigo

Por: Tânia Moreira, economista do Departamento Técnico e Econômico da FAEP.

SOJA FECHA EM ALTA ANTECEDENDO INTENÇÃO DE PLANTIO
Nesta segunda-feira o contrato de soja na Bolsa de Chicago para maio fechou em leve alta (0,05%), no valor de US$ 9,67/bushel (R$71,00/saca Paranaguá CIF).

tab1

Dados positivos dos embarques semanais de soja contribíram para alta. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou ontem que na semana encerrada em 26 de março as exportações foram de 655,72 mil toneladas contra as 520,541 mil toneladas da semana anterior, sendo maiores também que as exportções de 2014 para o mesmo período. No acumulado os embarques foram de 44,32 milhões de toneladas contra os 40,1l milhões exportados no mesmo período do ano anterior.

Além disso, a espera dos dados do USDA sobre o plantio e estoques americanos, investidores aproveitaram para rever suas posições em um movimento de cobertura de posições vendidas, o que também estabeleceu influência na variação dos preços de ontem.

Segundo a consultoria Safras e Mercados, levantamentos de consultorias internacionais indicam um áreade soja safra 2015/16 de 85,92 milhões de acres, acima dos 83,7 milhões de acres plantados na safra anterior e que poderia garantir novamente um recorde de produção americano.

A última estimativa do USDA para área de plantio de soja era de redução de 0,2% com plantio de 33,79 milhões de hectares. Os produtores americanos seguem atentos aos preços da soja e do milho, com custos de produção maiores no milho, obtendo-se portanto uma menor margem nesta cultura, em detrimento da cultura de soja.
MILHO EM ALTA COM PERSPECTIVA DE MENOR AREA
Nesta segunda-feira os contratos futuros do milho na CBOT seguiram em valorização, sendo que o contrato de maio ganhou 0,83%, fechando em US$ 3,94 / bushel ( R$ 30,50 Paranaguá CIF).

tab2

A expectativa em relação ao relatório de intenção de plantio americano continuou a influenciar o milho, na espera de um corte na área na safra 2015/16. Segundo a consultoria Safras e Mercados, consultorias internacionais estimam que a área de plantio a ser indicada pelo USDA, possa ser abaixo de 89 milhões de acres, o que ficaria abaixo dos 90,6 milhões de acres cultivados na safra anterior.

Os dados dos embarques semanais foram baixos. Na semana encerrada em 26 de março o USDA informou que os embarques de milho totalizaram 762,27 mil toneladas contra as 994,71 mil toneladas da semana anterior, e abaixo do ano de 2014, para o mesmo periodo. No acumulado do ano foram de 22,259 contra as 22,411 do milhões de toneladas em igual período do ano anterior.

TRIGO EM ALTA POR ESPERA DE CORTE DE ÁREA
Os contratos de trigo também fecharam em alta no valor de US$ 5,30/bushel, com ganho de 4,4%.

tab3

As preocupações com o clima seco nas regiões produtoras de trigo de inverno nos Estados Unidos acabaram conferindo valorização para o grão, somada a perspectiva de redução na área de plantio do relatório do USDA de hoje.

No Paraná o preço médio recebido pelo produtor é de R$ 562,83/tonelada restando vender cerca de 15% da safra 2014 ( 568,8 mil toneladas) segundo informações da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB).

Para o trigo argentino a paridade de importação (CIF) é de R$ 857,00/tonelada no interior do Paraná e de R$ 808,00/tonelada no Rio Grande do Sul, segundo dados da Consultoria Safras e Mercados.

A SEAB estima que a área de plantio da safra 2015 no Paraná, que começa a ser plantada em abril, fique praticamente estável em relação à safra anterior, com redução de apenas 3%, o que resulta em uma estimativa de produção de 4,0 milhões de toneladas.
No Rio Grande do Sul as cooperativas gaúchas tem relatado uma possível redução da área de plantio na safra 2015 em função da perda ocorrida na safra anterior e em função da elevação dos custos de produção para a próxima safra, apesar de relatarem que não há muitas opções para o cultivo de inverno, o que faria a redução não ser tão grande assim. A área cultivada da safra passada foi de 1,14 milhão de hectares, com uma produção inicial que era prevista para 3,15 milhões de toneladas e se confirmou em 1,51 milhões de toneladas, segundo dados da Companhia Nacional do Abastecimento (Conab).

Título da Postagem: Informe – SOJA, MILHO E TRIGO 31/03/2015

imprensa@faep.com.br