Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 07/04/2015 - 14h36
Postado em Milho, Soja, Trigo

07/04/2015 14h36 - Postado em Milho, Soja, Trigo

Informe – SOJA, MILHO E TRIGO 07/04/2015

Confira a análise econômica da FAEP dos preços da soja, milho e trigo

Por: Tânia Moreira, economista do Departamento Técnico e Econômico da FAEP.

SOJA EM BAIXA POR SAFRAS RECORDES E REALIZAÇÃO DE LUCROS

Tab_1

Após seguir em alta na semana passada de 2,32% os contratos futuros de soja nesta semana passaram a cair. O contrato futuro de maio da CBOT perdeu 0,76%, fechando no valor de US$ 9,78 bushel (R$ 67,37/saca. No porto de Paranaguá a cotação também caiu para R$ 68,50/saca, perdendo 2,14% em relação a segunda – feira.

Além de um movimento de realização de lucros, após as altas, os fatores fundamentais voltaram a pressionar os preços. A área recorde nos Estados Unidos de 34,2 milhões de acres, abaixo da expectativa inicial do mercado, mas a maior na série histórica americana, a perspectiva do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) de que o Brasil possa reduzir a área de 31,4 para 31,0 milhões de hectares na safra 2015/16, retornando ainda uma produção elevada devido aos ganhos na produtividade, a consolidação da safra recorde 2014/15 no Brasil e na Argentina e sua comercialização se acelerando são fatores que vem contribuindo para o enfraquecimento dos preços.

Outro dado divulgado pelo USDA na data de ontem foi as inspenções das exportações americanas na semana encerrada em 02 de abril, totalizando 564,8 mil toneladas com queda de 14% em relação à semana anterior. No acumulado do ano o total é de 44,8 milhões de toneladas com crescimento de 10,3% em relação ao ano safra anterior.

A queda do dólar refletindo dados econômicos mais fracos dos Estados Unidos também contribuiu para reduzir as cotações internas e diminuir o interesse nos negócios no Brasil.

De acordo com dados da consultoria Safras e Mercados o percentual colhido da safra no Brasil até quinta-feira passada (02) é de 75%, em normalidade com a média dos últimos cinco anos e mais adiantado que na safra passada. No Paraná este percentual é de 90%, acima da média dos últimos cinco anos. No Mato Grosso o percentual é de 97%, estando a colheita atrasada nos estados de Minas Gerais e Bahia.

O percentual comercializado, segundo a mesma fonte, é de 50% no Brasil contra a média dos 64% comercializados nas últimas cinco safras, considerando a mesma epóca do ano. No Paraná o percentual é 35% contra 50% das últimas cinco safras. No Mato Grosso este percentual é de 65% contra a média dos 77%.

Nesta terça-feira o mercado abriu em queda no valor de US$ 9,75/bushel.

 

MILHO EM BAIXA COM DADOS DA EXPORTAÇÃO AMERICANA E REALIZAÇÃO DE LUCROS

Tab_2

A realização dos lucros também esteve presente no milho, depois das altas impulsionadas pelo clima, fazendo o contrato de maio perder 0,38%, fechando no valor de US$ 3,85/bushel.( R$ 29,00/saca Paranaguá CIF).

Dados do USDA das inspenções da exportações americanas em evolução, mas menores que no ano passado também contribuíram para as perdas. As exportações na semana encerrada em 02 de março totalizaram 1,02 milhões de toneladas contras as 1,31 milhões do ano anterior no mesmo período. No acumulado da safras as exportações são de 23,28 milhões contras as 23,72 milhões do ano anterior.

As atenções seguem voltadas para condição climática nos Estados Unidos com o início do plantio do milho americano para a próxima safra. A umidade excessiva no meio oeste americano, se continuada, poderia atrasar o plantio da cultura.

Segundo dados da consultoria Safras e Mercados o percentual de plantio no Brasil para o milho safrinha é de 98,3% contra os 96,3% plantados na safra passada, no mesmo período. No Paraná este percentual é de 96% contra os 92% da safra passada. No Mato Grosso o plantio foi concluído.

O percentual comercializado no Paraná é de 12% até 23 de março contra os 2% em relação à safra passada, segundo dados da SEAB.

O preço médio recebido pelo produtor no Paraná, segundo a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB) , é de R$ 22,06/saca. O custo de produção calculado pela Companhia Nacional do Abastecimento (CONAB), considerando o último dado ainda da safra passada, é de R$ 23,39/saca.

 

TRIGO ACOMPANHA OS MERCADOS VIZINHOS E FECHA EM BAIXA

Tab_3

Para o trigo a perda no contrato de maio foi de 1,58%, fechando no valor de R$ 5,27/bushel.

O preço refletiu o fraco desempenho das inspenções das exportações americanas que totalizaram na semana encerrada em 02 de abril 370 mil toneladas contra as 629,7 mil toneladas exportadas no mesmo período do ano anterior. No acumulado do ano, as exportações totalizaram 19,13 milhões contra as 26,5 milhões exportados no mesmo período do ano passado.

Para o mercado de trigo o clima também segue em monitoramento com a seca nas grandes planícies americanas podendo afetar a produção de inverno.

No Paraná o preço médio recebido pelo produtor é de R$ 34,30/saca segundo dados da SEAB. O percentual comercializado permanece em 85% da safra 2014, segundo a SEAB.

O plantio da nova safra já teve início em Cascavel, com redução de área de 4% neste núcleo regional, segundo informações da SEAB.

Título da Postagem: Informe – SOJA, MILHO E TRIGO 07/04/2015

imprensa@faep.com.br