Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 22/09/2015 - 12h39
Postado em Milho, Soja

22/09/2015 12h39 - Postado em Milho, Soja

Informe – SOJA E MILHO – 22/09/2015

Acompanhe a análise econômica da FAEP sobre a movimentações das commodities

Por: Tânia Moreira |Economista do Departamento Téc. e Econômico da FAEP.

SOJA TEM DIA MELHOR COM EXPORTAÇÕES AMERICANAS

tab1
A segunda-feira foi positiva para os futuros, sendo apoiados pelo anúncio de exportações de 240 mil toneladas de soja de exportadores privados da safra 2015/16 nos Estados Unidos, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O USDA relatou também inspeções das exportações semanais em 502,84 mil toneladas, ficando acima da semana anterior (372,45 mil toneladas) e acima do esperado pelo mercado.

No acumulado do ano as exportações foram de 898,9 mil toneladas, acima das 803,74 mil toneladas do ano passado para a mesma semana. E ainda são esperadas a confirmação da compra chinesa em evento nos Estados Unidos nesta quinta-feira.

Outro dado importante, divulgado no final da tarde de ontem, foi a melhora da condição das lavouras americanas de soja classificadas de boas a excelentes, subindo de 61% na semana anterior para 63% na semana atual. O percentual colhido foi estimado em 7%, o que é igual a média das últimas cinco safras para este período.
Somando isso ao clima adequado, permanece a expectativa para a colheita de uma safra segundo recorde de produção nos Estados Unidos, o que fez o mercado voltar ao campo negativo nesta terça-feira.

A sustentação para os preços no mercado interno seguem no câmbio, que ontem bateu a máxima de treze anos em R$ 3,982, mesmo com intervenção do Banco Central, e hoje passou a operar acima dos R$ 4,00. A aversão ao risco no cenário internacional e a incerteza em relação a crise política e fiscal do país, que busca medidas para alcançar o superavit primário em 2016, sob pena de perder novamente o grau de investimento do país por mais duas outras agências de classificação de risco, não sugerem um abrandamento na tendência de alta.

As previsões para a variação do Produto Interno Bruto(PIB), taxa de câmbio e inflação só tem piorado nas estimas do Boletim Focus do Banco Central.

tab2

Em função disso o perfil de comercialização da safra 2015/16 segue mais acelerado no mercado interno, comparativamente a média das últimas safras. A consultoria Safras e Mercados estima que o percentual de comercialização no Brasil para 2015/16 tenha sido de 30% até o início de setembro. E de 35% no Paraná. A consultoria estima também uma produção de 100,5 milhões de toneladas no Brasil na próxima safra.

O preço recebido pelos produtores no Paraná na data de ontem foi cotado a R$ 70,01 por saca, segundo a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB).

Segundo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) as exportações semanais de soja diminuíram a média de embarque diário de 245,8mil toneladas do mês de agosto, para 190,61 mil toneladas até a 3ª semana de setembro, com redução do preço em dólar(US$/ton.)

Na data de hoje o futuro de novembro- 15 abria em baixa e até às 11:15 operava em ↓US$ 8,64 perdendo ↓1,03%. O futuro de maio-2016 era cotado a ↓US$ 8,78 por bushel.

O câmbio era cotado a ↑R$ 4,0273 com alta de ↑1,23%.

 

MILHO REAGE COM EXPORTAÇÕES AMERICANAS

tab3

Como na soja, os futuros do milho se fortaleceram ontem com base nos dados das exportações americanas. Foram anunciadas vendas para o México (487,68 mil toneladas) e inspeções acima da semana anterior, mas com dados acumulados para a safra atual abaixo da safra passada, segundo o USDA.

O USDA manteve a condição das lavouras americanas classificadas de boas a excelentes em 68%. O percentual colhido foi relatado em 10% em relação aos 15% de média de colheita dos últimos cinco anos. O ritmo de colheita, sob perspectivas climáticas favoráveis, segue pressionando os preços.

No mercado interno, o MDIC relatou um embarque médio diário maior para o milho. A média foi de 127,8 mil toneladas até a 3ª semana de setembro, em relação as 108,8 mil toneladas de agosto. O preço em dólar por tonelada registrou redução de 1%.

No mercado interno, a Safras e Mercados prevê produção total de 89,2 milhões de toneladas na safra 2015/16 em relação às 85,5 milhões de toneladas da safra passada, com aumento de área estimado em 1,74%.No Paraná, para a primeira safra é estimado uma redução de área de 19% com uma produção de 3,8 milhões de toneladas, segundo a SEAB. O preço médio recebido pelo produtor ontem foi cotado a R$ 23,63 por saca segundo a SEAB.

Na data de hoje, o futuro de dezembro-2015 até às 11:15 era cotado a ↓US$ 3,79 perdendo ↓1,30%. O futuro de maio-2016 era cotado a ↓US$ 3,98 por bushel.

Acesse as análises diárias da commodities no link: http://commodities.sistemafaep.org.br/

Título da Postagem: Informe – SOJA E MILHO – 22/09/2015

imprensa@faep.com.br