Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 21/12/2012 - 12h00
Postado em Notícias

21/12/2012 12h00 - Postado em Notícias

Governo elabora plano de incentivo para a pecuária

No momento em que o setor de carnes volta a ficar em evidência devido a problemas sanitários, o governo formula um plano para a pecuária. Entre as medidas, estão a criação de linhas de crédito diferenciadas, de um fundo garantidor e de um plano plurianual de investimentos. O objetivo é incentivar a reformulação de pastagens […]

No momento em que o setor de carnes volta a ficar em evidência devido a problemas sanitários, o governo formula um plano para a pecuária. Entre as medidas, estão a criação de linhas de crédito diferenciadas, de um fundo garantidor e de um plano plurianual de investimentos.

O objetivo é incentivar a reformulação de pastagens degradadas, a adoção de novas tecnologias e o planejamento financeiro dos pecuaristas.

"Precisamos ter políticas agrícolas distintas para cada público", disse ontem o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro, à Folha.

O governo também quer um modelo de estabilização das relações contratuais entre pecuaristas e frigoríficos. A ideia é que se crie uma espécie de "Consecarne", a exemplo do setor de cana.

"Não há setor que não precise de um amortecedor", disse o ministro, lembrando que os produtores de aves e suínos mais afetados pela alta do milho neste ano não são integrados com a indústria.

Agropecuária

Na área de defesa agropecuária, o ministério trabalha para profissionalizar a gestão.

Uma das ações será a abertura de processo seletivo, em janeiro, para a contratação de fiscais agropecuários -o primeiro em dez anos.

O ministro diz também ter orçamento aprovado para aumentar a capacidade dos laboratórios e para a consultoria prestada pelo comitê de competitividade liderado pelo empresário Jorge Gerdau.

Para evitar polêmicas como a do episódio da vaca louca no Paraná, o governo pretende exigir mais autocontrole das empresas. "Quando algo dá errado, a culpa também é do empresário, que fez a coisa inadequada", disse o secretário-executivo do ministério, José Carlos Vaz.

Para o governo, o caso atípico de vaca louca foi esclarecido com o mercado financeiro, com a população, com a maioria dos importadores e com a OIE (Organização Mundial de Saúde Animal), que deve formalizar em fevereiro o status de risco insignificante do Brasil para a doença.

Restam as batalhas comerciais. "Passado um certo tempo, se for o caso, vamos à OMC (Organização Mundial do Comércio)", disse Vaz, referindo-se aos sete países que barram a carne do Brasil. Ontem, Taiwan, irrelevante para a exportação, entrou na lista.

Folha.com

imprensa@faep.com.br