Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 20/11/2012 - 12h00
Postado em Notícias

20/11/2012 12h00 - Postado em Notícias

Feijão sofre com clima oscilante no Paraná

O clima oscilante anuncia que o feijão deve continuar escasso, elevando a renda dos produtores mas, por outro lado, aumentando o custo do alimento no país. A primeira das três safras do produto, a mais volumosa do ano, prometia ampliar a oferta mas deve repetir os resultados de um ano atrás, com 1,24 milhão de […]

O clima oscilante anuncia que o feijão deve continuar escasso, elevando a renda dos produtores mas, por outro lado, aumentando o custo do alimento no país. A primeira das três safras do produto, a mais volumosa do ano, prometia ampliar a oferta mas deve repetir os resultados de um ano atrás, com 1,24 milhão de toneladas. Maior produtor nacional, o Paraná reduziu área e deve ficar abaixo das 348 mil toneladas colhidas na temporada passada.

Com o clima oscilante, não será possível ampliar a produtividade a ponto de ultrapassar a colheita da safra das águas 2011/12. No Paraná, um terço das lavouras plantadas mostra-se regular e o restante em bom estado. As áreas ruins são exceção, mas a produtividade não irá muito além de 1,5 mil quilos por hectare.
ultima = 0;
Valorização

Preço estimula regiões cativas, mas consumidor gasta 40% a mais

As regiões tradicionais no cultivo de feijão comemoram a alta nos preços do grão. A saca de 60 quilos de carioca aumentou 50%, chegando a R$ 132 no Paraná. O produtor Celso Nunes, de Cascavel, que plantou 40 hectares na safra das águas, programa o cultivo de mais 48 no segundo ciclo da temporada 2012/13.

Por outro lado, o consumidor que paga R$ 4,4 pelo quilo de feijão carioca está bancando reajustes de 40% em um ano, conforme o histórico dos preços do varejo mantido da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab).
saiba mais Dos rios e valas para a reciclagem PR e MT encerram plantio juntos e sem extrapolar prazo PR e MT encerram plantio juntos e sem extrapolar prazo

A safra passada, base de comparação para os números atuais, foi de baixa. Só no primeiro ciclo da temporada a queda foi de 34% em relação a safra 2010/11. Foram colhidas em três safras no estado 677 mil toneladas, 17% a menos do que em 2010/11, e esse volume deve cair ainda mais, argumenta Marcelo Lüders, diretor da Correpar Corretora. “O Brasil está reduzindo a área da primeira safra. E isso deve impactar muito nos preços”, analisa.

Apesar da tradição no cultivo da leguminosa no Paraná, a valorização das commodities soja e milho provocou redução no cultivo do alimento, aponta Carlos Alberto Salvador, técnico da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab). “Nem todos os produtores têm condições de mudar, mas quem pode migrar acaba fazendo isso para aproveitar a condição de preços”, explica.

Lüders salienta que o mercado já assimila essa mudança. “Os preços estão começando a subir e devem aumentar ainda mais”, prevê.

Quem pratica rotação de cultura ainda da espaço ao feijão. É o caso do produtor Jesse Ricardo Gomes Prestes, do município de Castro, nos Campos Gerais, que dedica 400 hectares ao grão. “A expectativa é que seja possível obter o mesmo retorno da soja, ainda que com mais riscos”, afirma. A perspectiva de alta sustenta seu ânimo.

Jornal de Maringá – Maringá/PR

imprensa@faep.com.br