Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 23/10/2012 - 12h00
Postado em Notícias

23/10/2012 12h00 - Postado em Notícias

Exportação de milho do Brasil bate recorde e seguirá forte

O país produziu um recorde superior a 72,5 milhões de toneladas na safra passada, os preços dispararam no mercado internacional

As exportações de milho do Brasil no acumulado de 2012 bateram um recorde anual antes mesmo do final do ano, segundo dados do governo brasileiro, e deverão continuar fortes em 2013 diante da firme demanda internacional, de acordo com analistas.

O Brasil, terceiro exportador global atrás dos Estados Unidos e da Argentina, embarcou de janeiro até a terceira semana de outubro 11,87 milhões de toneladas, apontou nesta segunda-feira a Secretaria de Comércio Exterior (Secex). O resultado sepultou, em menos de dez meses, o recorde anual de 10,9 milhões de toneladas de 2007.

"O Brasil pode superar muito facilmente as 15, 16 e bater as 17 milhões de toneladas de exportação em 2012", afirmou Aedson Pereira, analista de grãos da Informa Economics FNP, em entrevista à Reuters.

Segundo ele, se isso acontecer, o país poderia superar a Argentina na exportação de milho pela primeira vez.

"A Argentina teve quebra de safra e só faz uma safra (o Brasil faz duas safras de milho ao ano), e ela tem limitação do governo, que colocou um teto de 16,5 milhões de toneladas na exportação", ressaltou Pereira, lembrando que o governo do país vizinho mantém o controle sobre os embarques para garantir a oferta interna e evitar pressão inflacionária.

Pereira lembrou que a Argentina esperava colher um safra de 28 milhões de toneladas, mas colheu cerca de 20 milhões de toneladas na temporada passada.

Por parte do Brasil, ao contrário, uma conjunção de fatores está favorecendo as exportações.

O país produziu um recorde superior a 72,5 milhões de toneladas na safra passada, os preços dispararam no mercado internacional com a quebra de safra dos Estados Unidos, o câmbio está favorável às vendas externas e há estoques abundantes, observou o analista.

Além disso, a União Europeia, afetada por uma seca, também está de olho no cereal brasileiro.

Prova disso é que os europeus, em geral contrários a produtos transgênicos, derrubaram nesta segunda-feira barreiras a uma variedade geneticamente modificada semeada no Brasil.

As exportações de milho ganharam mais força nos últimos meses, tendo registrado um recorde de 3,14 milhões de toneladas em setembro, um volume que poderá ser batido em outubro, considerando os embarques realizados nas três semanas deste mês (2,47 milhões de toneladas).

Roberto Samora, da inShare [Pin It]

imprensa@faep.com.br