Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 14/01/2014 - 14h05
Postado em Suinocultura

14/01/2014 14h05 - Postado em Suinocultura

Enfermidade que afeta suínos nos EUA pode elevar preço da carne

Um vírus que mata suínos jovens está chacoalhando a suinocultura americana, elevando os preços num mercado futuro de US$ 9 bilhões, e ameaçando criar mais problemas para os consumidores. A doença, que atingiu fazendas de 22 Estados americanos, reduz a oferta de carne suína e está levando alguns operadores e investidores a apostar em preços […]

 Exportações de suíno caem, mas mercado interno reageUm vírus que mata suínos jovens está chacoalhando a suinocultura americana, elevando os preços num mercado futuro de US$ 9 bilhões, e ameaçando criar mais problemas para os consumidores.

A doença, que atingiu fazendas de 22 Estados americanos, reduz a oferta de carne suína e está levando alguns operadores e investidores a apostar em preços recordes para o suíno este ano. O contrato futuro de suíno magro subiu na semana passada para seu maior valor em sete semanas e aumentou 6% desde meados de dezembro.

O vírus da diarreia epidêmica suína, ou vírus da PED, pelas iniciais em inglês, apareceu nos EUA pela primeira vez em abril de 2013 e matou milhares de leitões desde então. O vírus – que leva a um quadro grave de diarreia e vômito – é fatal apenas para suínos jovens e não representa ameaça à saúde humana ou à segurança alimentar, segundo veterinários especializados em suínos. A variedade americana do vírus é quase idêntica à que reduziu a produção chinesa de suínos em 2012.

A medida do impacto ainda não é conhecida porque os criadores não são obrigados a notificar incidentes ou total de mortes às autoridades federais. A Smithfield Foods, maior produtora mundial de carne suína, e outras processadoras estimam que cerca de 10% das fêmeas adultas foram contaminadas pelo vírus, que pode ser transmitido para suas crias.

A Smithfield, controlada pela Shuanghui International, disse no mês passado que o vírus pode causar prejuízo de 2 milhões a 3 milhões de cabeças à produção americana de suínos este ano, o equivalente a até 3% do total do setor. A Hormel Foods, fabricante dos produtos da marca SPAM, advertiu que seus lucros do ano fiscal de 2014 poderão ser prejudicados pela “potencial volatilidade dos custos do suíno” causada pelo vírus.

Para combater a doença, muitos suinocultores americanos estão redobrando as práticas de segurança, como desinfetar equipamentos e calçados dos trabalhadores. Mas muitos dizem considerar a doença difícil de evitar. “Essa é a doença mais difícil que já passamos”, disse Mike Brandherm, diretor-geral da Hitch Pork Producers, do Estado de Oklahoma que perdeu 30 mil leitões em seis semanas num surto ocorrido em 2013. “Foi surpreendente a velocidade com que a doença se propagou. A gente se sente impotente”.

Embora os surtos nas fazendas da Hitch venham sendo menores desde então, a unidade continua a perder de 500 a 600 leitões por semana, disse Brandherm. “Ainda não voltamos aos níveis de produção de antes da doença”, disse.

O impacto sobre a oferta de carne suína deverá contribuir também para a alta dos preços do toucinho e das costeletas para os consumidores americanos. Os preços da carne suína no varejo deverão alcançar novo recorde este ano, quebrando o recorde nominal de todos os tempos de US$ 3,81 a libra-peso (453,59 g) alcançado em outubro, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O USDA projeta aumento de 2% a 3% dos preços no varejo para 2014, após a alta de aproximadamente 1% de 2013.

Mike Boero, diretor do departamento de carnes do supermercado Piggly Wiggly de Zion, em Illinois, diz que os consumidores já falam da alta dos preços do toucinho. “As pessoas só estão comprando o produto quando está em promoção”.

As preocupações com o vírus elevaram os preços no mercado futuro de suínos nos últimos meses. Mas muitos operadores disseram que o impacto não será sentido de forma significativa antes do segundo e do terceiro trimestres, porque a doença começou a se acelerar em outubro e os leitões levam cerca de seis meses para alcançar o peso de abate.

O sentimento levou a uma disparidade maior do que o normal entre os preços dos contratos com vencimento em fevereiro e os mais distantes, segundo analistas. Na sexta-feira, os contratos para entrega em fevereiro subiram US$ 0,57, ou 0,7%, para 85,82 centavos de dólar por libra-peso na bolsa de Chicago. No dia 3 os preços alcançaram os níveis mais elevados para um contrato de primeira posição em sete semanas.

O contrato para entrega em junho, por seu lado, fechou em US$ 1,009 a libra-peso, com um ágio de cerca de US$ 0,15 sobre o contrato para entrega em fevereiro. Normalmente a diferença entre o contrato de fevereiro e junho é de cerca de US$ 0,12, segundo analistas. Os preços geralmente são mais altos no verão (de junho a setembro no Hemisfério Norte) porque os suínos tendem a comer menos quando as temperaturas estão altas, o que os impede de ganhar peso e reduz a oferta.

Há fatores que poderão neutralizar o impacto da doença sobre a produção, como fato de que os criadores americanos de suínos deverão expandir seus rebanhos este ano para aproveitar a queda dos preços das rações. O custo do milho, principal ingrediente da ração, caiu cerca de 40% nos últimos 12 meses devido à grande safra dos EUA, o que melhorou a rentabilidade dos produtores.

Os criadores também estão fazendo seus animais ganharem mais peso porque a ração está barata e porque podem obter preços mais elevados das processadoras de carne pelo aumento de peso.

“Acho que a PED é uma ameaça real, mas teremos de ver uma escassez de suínos de verdade atingir o mercado para que os contratos futuros registrem algum aumento”, disse Craig VanDyke, da consultoria Top Third Ag Marketing, de Chicago.

Mesmo com o setor se preparando para uma menor oferta, a previsão do USDA é de que produção de carne suína vai subir 2% em 2014 em relação ao ano passado, para 10,7 milhões de toneladas. Isso deve ocorrer, segundo o USDA, por conta da alta do peso dos animais.

Analistas observam que houve apostas equivocadas sobre o efeito na oferta de carne suína. Os operadores que previram um grande impacto, por exemplo, se surpreenderam no início de dezembro ao constatar que a oferta tinha ficado igual à do mesmo período de 2012. Isso fez com que os preços no mercado futuro alcançassem sua maior baixa de oito meses em 11 de dezembro.

O setor tenta desenvolver vacinas para combater o vírus da PED, mas até agora não há nenhuma de uso generalizado. Os pesquisadores não sabem ao certo como o vírus, identificado pela primeira vez no Reino Unido em 1971, entrou nos EUA.

Título da Postagem: Enfermidade que afeta suínos nos EUA pode elevar preço da carne

imprensa@faep.com.br