Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 02/07/2015 - 16h38
Postado em Pecuária de Corte

02/07/2015 16h38 - Postado em Pecuária de Corte

Comissão de Bovinocultura de Corte da FAEP realiza Dia de Campo

Durante dois dias produtores conhecem pesquisas sobre a tecnologia ILPF a produtores

Conhecer as pesquisas que estão sendo feitas na região central do Estado sobre a tecnologia Integração Lavoura/Pecuária/Floresta (ILPF); pastagens de ILPF para ovinos e pastagens de inverno e gado angus. Esses foram os principais temas da reunião da Comissão Técnica de Bovinocultura de Corte da FAEP, realizada nos dias 29 e 30 de junho, em Guarapuava. O encontro reuniu 60 produtores rurais além de professores e pesquisadores da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro).

“A reunião foi muito interessante, com um número significativo de participantes. Além de membros da comissão, vieram produtores de várias regiões o que enriquece muito a troca de informações. Essa participação demonstra o interesse por novas tecnologias e referenda a ideia de realizar os dias de campo no interior do Estado”, afirmou o presidente da comissão Rodolpho Luiz Werneck Botelho, que também é produtor rural e presidente do Sindicato Rural de Guarapuava.

No primeiro dia os produtores estiveram no Departamento de Agronomia da Unicentro, Campus Cedeteg. No local os participantes conheceram as pesquisas dos professores e pesquisadores, Itacir Sandini e Sebastião Brasil Campos Lustosa, que realizam ensaios para determinar boas alternativas de ILPF para o centro-sul paranaense. Nos estudos, a integração é feita entre culturas de milho e feijão, durante o verão, seguida por pastagens de aveia e azevém, no inverno, com alta adubação nitrogenada.

Ao apresentar os resultados em números, o pesquisador Sandini enfatizou a importância do uso do nitrogênio, como um fator que proporcionará melhor desenvolvimento da pastagem, destacou o reflexo daquela condução no ganho de peso dos animais e defendeu ainda que o produtor pratique também um manejo voltado ao bem-estar do rebanho.

Em seguida, ao comentar o trabalho de Sebastião Lustosa, a professora Deonísia Martinichen, do Departamento de Agronomia da Unicentro da área de produção de pastagem e de sementes, enfatizou que os agropecuaristas encarem as duas atividades como um sistema. Ela frisou que cada uma das atividades deve estar interligada com a outra, de forma que intensifique a produção.

No campo, os participantes puderam tirar dúvidas; ver de perto as pesquisas de pastagem para integração lavoura-pecuária; comparar a eficácia de cada sistema e como cada um deles pode melhorar as áreas de pastagens e aumentar a rentabilidade dos agropecuaristas.

Os estudos também têm o objetivo de promover o uso sustentável do solo e a redução do uso de fertilizantes. Para isso, os pesquisadores reuniram nos experimentos combinações entre culturas de grãos – soja, milho grão, milho para silagem, pastagem perene estival (campim aruana), culturas hibernais (trigo, cevada e canola para grãos, centeio para silagem pré-secada) e pastagens hibernais (azevém/aveia) em sistemas integrados de produção agropecuária.

Na primeira área, os participantes conheceram piquetes de pastagens ocupadas por ovinos da raça Texel e o pesquisador Sandini detalhou a condução do plantio e o desenvolvimento dos animais.  Em seguida os produtores visitaram pastagens com gado Jersey e ouviram explicações do doutorando Jony Cley dos Santos, que desenvolve tese sobre o tema.

A programação do segundo dia do Dia de Campo continuou a abordar a tecnologia ILPF, incluindo pastagens de inverno e gado angus, na Fazenda Capão Redondo, em Candói. O líder sindical Rodolpho Luiz Werneck Botelho apresentou um histórico de como começou a atividade na propriedade, que pertence a sua família. “Essa prática exige do produtor rural conhecimento aprofundado, pois é muito mais complexo fazer as três atividades ao mesmo tempo”, disse.

O presidente da Comissão Técnica recomendou que agropecuaristas continuassem a participar dos dias de campo. “São as informações vindas da pesquisa que poderão servir de base para que a ILPF esteja adaptada a cada região do Paraná, uma vez que o Estado apresenta diferenças de clima e solo acentuadas”, enfatizou.

As técnicas de ILPF utilizadas na fazenda Capão Redondo foram detalhadas pelo pesquisador Sebastião Lustosa. O pesquisador Elir de Oliveira, do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), fez uma palestra sobre forrageiras, assinalando as regiões de melhor adaptação e comparando a eficiência de cada uma na integração lavoura-pecuária.

Oliveira destacou as vantagens do uso da aveia, apontando alta produtividade de várias cultivares do Iapar. Mas, observou que apesar dos materiais serem desenvolvidos no Estado, muitos produtores paranaenses ainda desconhecem essas alternativas, enquanto que no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, as cultivares são conhecidas e muito utilizadas por quem prática a integração lavoura-pecuária.

 

Fonte: Sindicato Rural de Guarapuava

Título da Postagem: Comissão de Bovinocultura de Corte da FAEP realiza Dia de Campo

imprensa@faep.com.br