Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 13/02/2013 - 12h00
Postado em Notícias

13/02/2013 12h00 - Postado em Notícias

Coluna RIC Rural

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) prevê uma produção recorde de 180 milhões de toneladas de grão para a safra 2012/2013. O destaque foi para a soja, que teve um crescimento de 25,7% e produção estimada em 83,42 milhões de toneladas. Outro destaque foi o milho 2ª safra, que também apresentou aumento de 4,6%, passando […]

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) prevê uma produção recorde de 180 milhões de toneladas de grão para a safra 2012/2013. O destaque foi para a soja, que teve um crescimento de 25,7% e produção estimada em 83,42 milhões de toneladas. Outro destaque foi o milho 2ª safra, que também apresentou aumento de 4,6%, passando de 39,1 para 40,9 milhões de toneladas. De acordo com informações da estatal, essa é a maior safra dessa cultura, superando a produção do milho 1ª safra, estimada em 35,1 milhões de toneladas.

A empresa de previsão de safras Lanworth estimou a produção norte-americana de milho na nova temporada (2013/14) em um recorde de 13,8 bilhões de bushels (cerca de 350 milhões de toneladas), com rendimentos médios subindo para 155,6 bushels por acre. A estimativa para o milho dos EUA é quase o dobro da safra total de grãos e oleaginosas do Brasil prevista para a atual temporada.

Café

Em 2012, a produção de café no mundo, segundo a Organização Internacional do Café – OIC, foi cerca de 144,5 milhões de sacas de 60 kg. Desse total, o Brasil produziu mais de 50,8 milhões, 30% da produção mundial. Pode-se dizer que de cada três xícaras de café consumidas no mundo, uma é de origem brasileira. O País é também o segundo maior consumidor de café, após os EUA.

Importação

Em nota a FAEP (Federação da Agricultura do Estado do Paraná) diz que governo não tem juízo ao isentar a importação de países fora do Mercosul. A medida anunciada pela Camex, Câmara de Comércio Exterior, desestimula plantio de trigo e pode aumentar a inflação. Atualmente, a taxa está em 10%. A medida vale de abril a julho deste ano, para uma quota inicial de um milhão de toneladas do produto, que pode ser elevada a dois milhões. A Abitrigo quer tarifa zero para 2,5 milhões de toneladas do produto. Segundo o presidente da FAEP, Ágide Meneguette, os técnicos da Camex e os ministros estão defendendo os interesses da indústria em detrimento do setor produtivo do Brasil.

Maracujá

E no litoral do Estado, principalmente em Morretes, segue a colheita do maracujá. Segundo produtores, o preço está remunerador. A caixa está sendo comercializada por R$25,00.

Para assistir as matérias do RIC Rural, clique aqui.

Ric Mais – Curitiba/PR

imprensa@faep.com.br