Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 28/03/2014 - 10h57
Postado em Agronegócios, Fruticultura

28/03/2014 10h57 - Postado em Agronegócios, Fruticultura

Clima temperado favorece produção de amora e mirtilo na região de Palmas

O preço do mirtilo já chegou a R$ 70,00 o quilo. Hoje varia entre R$ 20,00 e R$ 40,00

IMG_3059Quando observamos no supermercado iogurtes, geleias e outros produtos do sabor “frutas vermelhas”, muitas vezes temos dificuldade em identificar exatamente qual é a matéria-prima destes alimentos. Afinal, framboesas, blueberrys, amoras e outras frutas parecem exóticas aos olhos dos brasileiros, acostumados a bananas, abacaxis e outros exemplares da nossa flora tropical. Porém, se de um lado estas culturas têm algo de exótico, têm também uma alta demanda da indústria e pouquíssimos  produtores no Brasil, o que torna sua produção bastante atrativa do ponto de vista comercial. Foi mirando esta oportunidade de mercado, que a produtora Maria de Lourdes Giotto e seu filho Marco Giotto iniciaram em 2005 uma produção de amora e mirtilo (ou blueberry) em Palmas, na região Sul do Estado.

O clima temperado permitiu que as frutas se desenvolvessem plenamente, bem como se estivessem nas paisagens geladas do hemisfério norte. Depois de alguns ajustes iniciais e muito aprendizado, hoje a produção anual da Fazenda Capão Seco é de 14 toneladas de amora e uma tonelada de mirtilo, distribuídos em sete hectares. De acordo com Maria de Lourdes, trata-se do maior pomar deste tipo do Brasil. “E está crescendo. A cada ano planto mais um pouquinho”, diz a produtora.

Para dar o primeiro passo, ela buscou a expertise técnica na Embrapa Pelotas, onde existe um trabalho com cultivares de clima temperado, como é o caso das frutas vermelhas. Foi de lá que vieram as primeiras mudas e a assistência técnica necessária para iniciar o cultivo. “No começo foi sofrido, mas só até pegar o jeito da coisa”, conta. Toda a produção é orgânica. Segundo Marco Giotto, tratase de uma filosofia de produção, aliada a uma visão de mercado. “Agrega valor, pois nessa época, a fruta vira commodity, se fosse competir na cultura convencional seria inviável”, diz. Além disso, “O preço do mirtilo já chegou a R$ 70,00 o quilo. Hoje varia entre R$ 20,00
e R$ 40,00”.  A produtora Maria de Lourdes Giotto apostou na amora e no mirtilo e não se decepcionou.  Leia a matéria completa na última edição do Boletim Informativo da FAEP clicando aqui

Título da Postagem: Clima temperado favorece produção de amora e mirtilo na região de Palmas

imprensa@faep.com.br