Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 23/07/2013 - 12h00
Postado em Notícias

23/07/2013 12h00 - Postado em Notícias

Clima ameaça café e trigo no Paraná

Mais da metade da área de café do Paraná ainda precisa ser colhida, segundo a Seab.

A frente fria que se aproxima do Paraná neste final de semana coloca em risco parte das lavouras de café no Norte do estado e também as plantações de trigo. A previsão indica que a queda de temperaturas deve ser mais expressiva na virada de terça para quarta-feira (24). Há inclusive a possibilidade de ocorrer geada. O clima ameaça prejudicar o desenvolvimento dos cafezais mais novos e em áreas de baixadas.

Os meteorologistas ponderam, porém, que as chuvas previstas podem impedir a geada.

O mercado internacional está precificando o "risco climático" no Brasil, especialmente no Paraná. Ontem, as cotações futuras do grão negociadas na Bolsa de Nova York atingiram o maior valor em oito semanas. O comportamento dos preços do café considera uma possível quebra na produção. O Brasil é hoje o maior fornecedor mundial.

Com uma produção de 102 mil toneladas esperadas para a safra 2012/13, o Paraná deve ser o terceiro maior produtor brasileiro. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado (Seab) acredita que uma pequena área do fruto está em risco. Até o momento, as colheitadeiras passaram por 38% da área plantada. Maior parte dos cafezais (92%) está na fase de maturação, ou seja, no final de desenvolvimento. Somente 8% estão em estágio de frutificação.

No caso do trigo, o estrago pode ser maior, se houver a ocorrência de geada. A implantação da cultura, que é tipica do inverno, foi atrasada neste ano por causa do excesso de chuvas no mês de junho. Segundo o boletim da Seab, 51% das lavouras estão em estado de desenvolvimento vegetativo, 27% em floração, 14% em frutificação e 8% em germinação.

Repercussão

2% é quanto subiram os contratos futuros do café arábica negociados na ICE Futures, em Nova York, que é referência para o mercado mundial do produto. No Paraná, a alta foi de cerca de 1%.

Fonte: Gazeta do Povo – 23/07/2013

imprensa@faep.com.br