Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 03/07/2017 - 15h58
Postado em Cafeicultura, Destaques

03/07/2017 15h58 - Postado em Cafeicultura, Destaques

Campo Futuro calcula viabilidade econômica da cafeicultura em Apucarana

Mecanização pode minimizar gastos com mão de obra, principal custo da atividade

A produtividade dos cafeicultores de Apucarana (Norte do Estado), em 2017, deve ficar em 33 sacas por hectare, um aumento de três sacas em relação aos resultados de 2016. O levantamento dos custos da cafeicultura, realizado por meio do projeto Campo Futuro, foi em maio deste ano. Para a amostragem, oito cafeicultores da região colaboraram com a coleta de dados, que levou em conta apenas a produção do café do tipo Arábica.

De acordo com os dados, o Custo Operacional Efetivo (COE), que não computa a depreciação dos equipamentos nem o pró-labore dos produtores, também aumentou, ficando em R$ 353,45 por saca, colocando o COE de Apucarana como terceiro maior do país. Em relação ao levantamento do ano passado, houve uma elevação de 10,2% nestes custos, sendo que o item de maior peso foi a mão de obra, que responde por 42% do COE, seguido por fertilizantes (15%), produtos fitossanitários (6%) e corretivos (2%).

Segundo Diego Humberto de Oliveira, engenheiro agrônomo e pesquisador do Centro de Inteligência em Mercados da Universidade Federal de Lavras (CIM/UFLA), a elevação de custos era esperada. “Por se tratar de uma região onde a colheita é realizada manualmente em 100% da área, e devido aos reajustes do salário mínimo, esperava-se que a mão de obra seria o item mais impactante no COE.”

Leia a matéria completa aqui.

Título da Postagem: Campo Futuro calcula viabilidade econômica da cafeicultura em Apucarana

imprensa@faep.com.br