Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 28/08/2014 - 12h35
Postado em Campanhas, Faep

28/08/2014 12h35 - Postado em Campanhas, Faep

Campanha Plante Seu Futuro entra em nova etapa

Nesta fase da campanha produtores serão sensibilizados para reduzir aplicações de produtos químicos nas lavouras

planteseufuturo1Com o início do plantio da safra 2014/15, a campanha Plante Seu Futuro, lançada com sucesso no ano passado, entra numa nova etapa de execução. Desta vez vai concentrar esforços em sensibilizar o produtor rural para a importância da gestão de solo e água, controle de formigas cortadeiras e o manejo integrado de culturas que reúne o controle de pragas, de doenças, de plantas invasoras e tecnologia de aplicação e controle de perdas na colheita.

Outro diferencial, é que a campanha vai manter sua abrangência estadual mas vai concentrar ações em quatro macro-regiões: Ponta Grossa, Cascavel, Maringá e Londrina com atividades específicas e adaptadas às condições de cada uma delas.

Serão implantadas cerca de 200 unidades de referência, propriedades que serão controladas pelos parceiros da campanha como Emater, Embrapa, Iapar, cooperativas e prefeituras, para demonstrar que com monitoramento é possível reduzir em até um terço as aplicações de produtos químicos nas lavouras, como fungicidas, herbicidas, inseticidas e outros defensivos.

A campanha chama a atenção para as boas práticas de produção da agricultura como plantio direto com qualidade, rotação de culturas, terraceamento e outras. O objetivo é que o agricultor só venha a utilizar esses produtos na hora e no momento certo, quando ele verifica que há perdas econômicas significativas.

Para minimizar a incidência de pragas e doenças, existe tecnologia para acompanhar o monitoramento que deve ser feito pelo agricultor na lavoura. A principal delas é que o agricultor resgate o conhecido pano de batida, onde ele faz a captação de possíveis insetos, lagartas e esporos. O produtor conta o número de insetos coletados no pano e faz uma projeção para toda a lavoura plantada, deduzindo se é o momento de aplicar produtos químicos ou não.

“Tem produtor que ao ver o primeiro inseto ou sinal de doença na lavoura já aplica veneno e isso não é bom, porque acabam adquirindo resistência e depois fica difícil controlar infestações ou doenças causadas por eles”, explicou José Tarciso Fialho, coordenador da campanha Plante Seu Futuro, na Secretaria da Agricultura e do Abastecimento.
A campanha Plante Seu Futuro orienta o agricultor a aplicar o produto somente quando houver dano econômico à lavoura. Para isso, inicialmente o agricultor deve procurar o auxílio de um profissional a campo que pode ser um técnico do poder público ou da iniciativa privada que vai ajuda-lo a tomar a decisão de aplicar ou não o agrotóxicos na hora certa. Depois disso o agricultor vai aprender a monitorar sua lavoura sozinho.

Controle da lagarta
Helicoverpa Armígera

Na safra passada, graças a esse monitoramento, teve agricultor em unidade demonstrativa que fez a primeira aplicação de agrotóxico aos 50 dias de desenvolvimento da lavoura,quando em plantios convencionais, a média de aplicação acontece entre o 22º e o 23º dia, o que faz com que o agricultor gaste muito mais para aplicar esses produtos durante todo o ciclo produtivo.

Outro exemplo dado por Fialho corresponde a um bom exemplo de como o Paraná conseguiu controlar a lagarta Helicoverpa Armígera, que aterrorizou os agricultores na safra passada. Outros estados chegaram a decretar estado de emergência para importar novas fórmulas de agrotóxicos, sem terem passados por testes de eficácia no País, com o objetivo de combater a lagarta.

No Paraná, o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, não concordou em atender pedido do setor produtivo para decretar o estado de emergência e pediu empenho dos técnicos do governo e da iniciativa privada na campanha Plante Seu Futuro. Com monitoramento na lavoura foi possível demonstrar que a lagarta de tão temida passou a quase inofensiva. Um estudo da Embrapa, Emater e Iapar demonstrou que a Helicoverpa Armígera tem muitos inimigos naturais e que morre por si só, sem necessidade de aplicações indiscriminadas de agrotóxicos.
Testes de laboratório comprovaram que 80% das lagartas coletadas já chegavam infectadas pela ação dos inimigos naturais como bactérias, fungos ou moscas. Esses são “amigos naturais” que devem ser preservados, evitando-se as aplicações de agrotóxicos ao máximo.

A campanha Plante Seu Futuro foi lançada em 2013 pela Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e os parceiros Eamter, Iapar, Adapar, Embrapa Soja, Itaipu, Faep, Fetaep e Ocepar. No ano passado foram implantadas mais de 100 unidades de referência que apresentaram resultados animadores.

A campanha concentrou esforços no controle e monitoramento da incidência de pragas e doenças nas lavouras de soja e milho e a média de aplicações de agrotóxicos foi reduzida à metade, que correspondeu a uma economia em torno de R$ 500,00 por hectare na safra 2013/14.

Título da Postagem: Campanha Plante Seu Futuro entra em nova etapa

imprensa@faep.com.br