Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 22/10/2012 - 12h00
Postado em Notícias

22/10/2012 12h00 - Postado em Notícias

Brasil é vice-líder em produção de transgênicos

Produção brasileira só perde para os Estados Unidos

O agronegócio brasileiro já expõe sua força em outra área: a produção de transgênico. Hoje, o país é vice-líder. A história dos transgênicos é marcada por disparidades. Se uns o defendem como avanço e desenvolvimento, outros o acusam de modificar a cadeia genética de modo a colocar em risco a vida dos consumidores.

Em 1998 a venda dos transgênicos foi proibida, devido a uma ação judicial do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). O embargo durou até 2003, com a edição de nova MP para autorizar a comercialização. A Lei de Biossegurança (11.105/05), aprovada pelo Congresso em 2005, representou o fim da polêmica em torno do assunto. Além de criar regras gerais sobre as pesquisas em biotecnologia no País, a lei criou a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), que passou a ser responsável por toda regulação do setor de biotecnologia.

Hoje, a realidade é outra. Um dos produtos transgênicos mais cultivados no Brasil é a soja. Segundo a economista do Departamento de Economia Rural da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Jovir Vicente Esser, 89% da soja produzida no País é geneticamente modificada.

As plantas atualmente existentes no mercado sofreram alteração genética quase sempre com o objetivo de se tornarem mais resistentes – seja a agrotóxicos, a pragas ou às intempéries climáticas.

Mas a redução do uso de agrotóxicos possibilitada pela transgenia não vem ocorrendo no Brasil, porque as ervas daninhas adquirem resistência ao herbicida usado nas plantações de transgênicos.

O engenheiro agrônomo e assessor técnico da Agricultura Familiar e Agroecologia Gabriel Biancone Fernandes sustenta, inclusive, que desde 2008, quando o Brasil passou a plantar soja transgênica em escala comercial, assumiu a triste posição de país que mais usa agrotóxico no mundo.

imprensa@faep.com.br