Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 22/05/2012 - 12h00
Postado em Notícias

22/05/2012 12h00 - Postado em Notícias

Banco do Brasil libera R$ 690,1 mi até maio para Programa ABC

O Banco do Brasil (BB) liberou R$ 690,1 milhões na temporada 2011-12, até maio, para o Programa ABC – Agricultura de Baixo Carbono -, atendendo 2.202 operações. O BB responde por 80,2% dos recursos liberados até o momento pelo programa, que tem como objetivo financiar a recuperação de áreas e pastagens degradadas; a implantação de […]

O Banco do Brasil (BB) liberou R$ 690,1 milhões na temporada 2011-12, até maio, para o Programa ABC – Agricultura de Baixo Carbono -, atendendo 2.202 operações. O BB responde por 80,2% dos recursos liberados até o momento pelo programa, que tem como objetivo financiar a recuperação de áreas e pastagens degradadas; a implantação de sistemas orgânicos de produção agropecuária, de plantio direto na palha, de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), de florestas comerciais e de planos de manejo florestal sustentável; e a adequação ou regularização das propriedades rurais ante a legislação ambiental.

A informação foi repassada pelo vice-presidente de Agronegócio da instituição, Osmar Dias, durante o Fórum ABAG-Cocamar – Integração Lavoura, Pecuária e Floresta, realizado na sexta-feira (18), em Maringá (PR), durante a 40ª edição da Expoingá. Considerando que o Programa ABC destinou R$ 3,15 bilhões aos produtores, a demanda pelos recursos ainda é pequena.
 
O ABC é a ferramenta encontrada pelo governo para incentivar as práticas conservacionistas, para cumprir com o acordo de reduzir 33,1% das emissões de gás carbônico até 2020. Entre as metas estabelecidas pelo programa estão a expansão da área de plantio direto brasileira de 25 milhões para 33 milhões de hectares; a recuperação de 15 milhões de hectares de áreas degradadas; o aumento em 4 milhões de hectares do sistema de ILPF e o plantio de 6 milhões a 9 milhões de florestas comerciais.
 
"Governo, sociedade e principalmente o agricultor terão que garantir o cumprimento destas metas", ressaltou Dias. O ex-senador frisou que, na posição de vice-presidente de Agronegócio da principal instituição financiadora do agronegócio brasileiro, uma de suas funções é incentivar os produtores a investirem na expansão da agricultura, adotando as práticas de conservação e garantindo a sustentabilidade. As projeções de oferta e demanda mundial por alimentos são o principal aliado de Dias nesta empreitada.
 
Números da FAO – Agência para Alimentação das Nações Unidas – indicam que nos próximos 10 anos a oferta mundial de alimentos terá que crescer 20%. O Brasil terá que contribuir com 40% desta expansão. "Temos 101 milhões de hectares com área degradada e um grande potencial de crescimento na produção de carnes e grãos, utilizando tecnologia", indicou.
 
ILPF
 
Dentro deste contexto de aumento na população mundial, expansão da urbanização global e crescimento na renda de países populosos, como a China e a Índia, o consumo tende a aumentar. No setor de carnes, por exemplo, a perspectiva é de que, entre 1990 e 2020, o consumo cresça 110% no Brasil, 182% na China e 31% no Mundo. Além de uma maior oferta, a produção terá que acontecer de forma sustentável.
 
Este cenário justifica a adoção de práticas como a Integração Lavoura, Pecuária e Floresta. Além dos recursos disponibilizados pelo Plano Safra, outras medidas estão sendo adotadas para expandir a utilização da ILPF. Durante o Fórum, foi ressaltada a Rede de Fomento, um conjunto de instituições dispostas a dar apoio financeiro ou tecnológico à prática. Entre os envolvidos, estão a cooperativa Cocamar, de Maringá, a Embrapa e empresas como a John Deere e a Syngenta. A estes, deverão ser associadas instituições de crédito, governo, universidades, entre outros.
 
No Arenito Caiuá, no noroeste do Paraná, território formado por 107 municípios em uma área de 3,2 milhões de hectares e com solo arenoso e suscetível à degradação, há um grande espaço para a intensificação da ILPF. São 2 milhões de hectares de pastagens, dos quais 80% em degradação. Nesta região, a Cocamar tem projetos em desenvolvimento em 2012 envolvendo 41 produtores, em 12 unidades, abrangendo 20,541 mil hectares, sendo 3,555 hectares de área de lavouras de grãos.
 
Os resultados não demoraram a aparecer. Na Fazenda Santa Felicidade, no município de Maria Helena, a produtividade da soja, em um ano de forte estiagem, com 35 dias sem chuvas, ficou em 2.230 quilos por hectare, considerada boa pelas características do solo. Na Fazenda Três Irmãos, em Iporã, o rendimento impressionou ainda mais, batendo em 2.680 quilos por hectare.
 
"A Integração está quebrando paradigmas na região, como o do arenito só ser adequado para cana, mandioca e gado e de que a recuperação do solo é cara e ineficiente. Apostamos na soja e estamos tendo resultados expressivos", comemora o produtor Antonio Cesar Pacheco Formiguieri, proprietário da Fazenda Santa Felicidade. "A ILPF é garantia de sucesso na recuperação do solo, é a forma mais inteligente", diz, acrescentando que ainda há muito que avançar nesta direção na região.

Agrolink com informações de assessoria – 22/05/2012

imprensa@faep.com.br