Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 11/05/2016 - 14h59
Postado em Cafeicultura, Destaques

11/05/2016 14h59 - Postado em Cafeicultura, Destaques

No apagar das luzes, governo libera importação de café do Peru

Para o presidente da Comissão Técnica da Cafeicultura da FAEP, medida favorece entrada de pragas no Brasil e prejudica política de preços

Nem o café escapou do pacote de maldades que a ministra Kátia Abreu preparou para este final de governo. Na última terça-feira (10), no apagar das luzes do governo Dilma, foi publicada no Diário Oficial da União a Resolução nº 1 da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SDA/MAPA), que autoriza a importação de grãos verdes de café provenientes do Peru. A importação do café peruano foi suspensa em 2015 até que a Organização Nacional de Proteção Fitossanitária (ONPF) daquele país apresentasse plano de trabalho ao Departamento de Sanidade Vegetal (DSV). Existe receio que pragas que ainda não existem, ou que já foram controladas no Brasil, sejam introduzidas no país junto com os grãos peruanos.

A medida foi tomada sem nenhuma consulta à cadeia produtiva do café e pegou muitos produtores de surpresa. A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) taxou a medida como “desastrosa” e “irresponsável”, uma vez que no Peru as máquinas usadas para colheita do café são as mesmas utilizadas no manejo do cacau, e lá existe a monília uma doença devastadora para o cacau que ainda não existe no Brasil.

Para o presidente da Comissão Técnica da Cafeicultura da FAEP, Walter Ferreira de Lima, que representa a federação na Comissão Nacional do Café da Confederação Nacional da Agricultura, a resolução do governo é altamente maléfica para o cafeicultor brasileiro por dois motivos: O primeiro é a questão sanitária já destacada pela FPA “Se libera para a importação para o Peru, logo libera também para trazer de países da África e da Ásia, onde há pragas ainda mais exóticas”, avalia. O segundo motivo é a questão do preço “Você cria um sistema que permite que os importadores manobrem ainda mais o preço do café, que não conta com uma política eficiente de preços”, pondera.

Sobre esta questão, também foi anunciado na terça-feira, pelo o secretário de Política Agrícola do MAPA, André Nassar, o reajuste de 7,57% nos preços mínimos dos cafés arábica e conilon, que passaram, respectivamente, de R$ 307,00 para R$ 330,24 e de R$ 193,54 para R$ 208,19. Segundo Lima, o valor do arábica – que não era reajustado desde 2013 – não cobre sequer o custo de produção.

Tags:, , , ,

Título da Postagem: No apagar das luzes, governo libera importação de café do Peru

imprensa@faep.com.br