Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 16/06/2016 - 10h30
Postado em Destaques, Grãos, Milho

16/06/2016 10h30 - Postado em Destaques, Grãos, Milho

Agricultura quer que a maior parte do milho fique no país

Entre as medidas estudadas estão o estímulo à produção nacional e crédito para carregamento de estoques

O Ministério da Agricultura estuda medidas para assegurar que uma parte maior da produção nacional de milho seja destinada ao mercado interno, entre elas o estímulo à produção, o alongamento do custeio e crédito para carregamento de estoques, por meio de remanejamento de recursos do Plano Safra.”Vamos criar mecanismos para que a indústria nacional não pare”, disse nesta quarta-feira, dia 15, o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, em coletiva na sede da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em São Paulo.

Antes ele havia participado, também na sede da ABPA, de reunião com representantes da indústria para discutir alternativas para conter a ‘crise do milho’. Uma das metas, segundo a ABPA, é abrir o diálogo entre produtores e agroindústrias com o intuito de evitar que as exportações do cereal não comprometam o abastecimento interno. Estiveram presentes no encontro autoridades, representantes do setor e de empresas de proteínas, como JBS e BRF. “Há estados como Mato Grosso que podem elevar muito a sua produtividade”, afirmou Geller.

O secretário de Política Agrícola questionou a estratégia de comercialização do milho na atual safra. “Por que a indústria não entrou no ano passado e não comprou (milho) como fizeram as tradings?” A estimativa é de que cerca de 70% da safrinha que está sendo colhida tenha sido negociada para exportação.”Fizemos uma primeira aproximação com agroindústria e vamos começar a prever o futuro”, contou Geller, acrescentando que há estudos preliminares sobre contratos futuros entre as partes. Segundo ele, a escassez de milho no país fez com que tradings “recomprassem” milho vendido para o exterior e ofertassem o produto para as indústrias brasileiras.

O presidente da ABPA, Francisco Turra, concordou com Geller. “Havia um comportamento de acomodação por parte da indústria antes. Hoje têm um novo concorrente, que é o mercado externo.” De acordo com o executivo, no encontro de hoje houve uma sinalização positiva de agroindústria de conversar com produto. A cotação do milho atingiu altas recordes em 2016. O indicador do milho Cepea/Esalq/BM&Bovespa acumula alta de 43,4% desde o início do ano. Nesta quarta, fechou a R$ 52,04/saca. Um dos motivos foi o aumento das exportações, impulsionadas pela desvalorização do real ante o dólar desde o segundo semestre do ano passado. “Existe uma situação emergencial para abastecer e seguir este fluxo exportador crescente de proteínas pelo Brasil, principalmente com este mercado interno em recessão”, afirmou Turra.

Fonte: Canal Rural – 16/06/2016

Título da Postagem: Agricultura quer que a maior parte do milho fique no país

imprensa@faep.com.br