Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 14/02/2012 - 12h00
Postado em Notícias

14/02/2012 12h00 - Postado em Notícias

VBP chega a R$ 214,6 bilhões em fevereiro

Valor pode sofrer alterações por conta do impacto da estiagem nas lavouras do Sul, especialmente soja e milho

Brasília (14/02/2012) – O Valor Bruto da Produção (VBP) totalizou R$ 214,6 bilhões em fevereiro e foi divulgado nesta terça-feira, 14 de fevereiro, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Esse valor é 2,7 % maior do que o obtido no ano passado em igual período, embora não estejam plenamente estimados os efeitos da seca no Sul do país, onde principalmente Paraná e Rio Grande do Sul foram os estados mais afetados, o que ainda pode impactar no montante.

O coordenador geral de planejamento estratégico do Mapa, José Garcia Gasques, atribui os dados aos preços favoráveis e à boa produção no ano. Os produtos que mais contribuem para esse resultado são: o algodão, com aumento real de 36,2% no valor; a cana-de-açúcar (21,6 %); o milho (20,2%), a banana (7,9%); o tomate (10,7%); e o café (6,6 %).  Outros produtos também com variação positiva, mas em menores percentuais, no valor são cebola e feijão.

Vários produtos vêm registrando redução no valor da produção em 2012. As principais reduções do valor foram verificadas no arroz (-16,8%), na batata inglesa (-36,6%), no cacau (-8,9 %), no fumo (-19,9 %), na mandioca (-16,9%), na soja (-5,2%), no trigo (-20,3%) e na maçã (-6,6%).

As estimativas regionais para o VBP mostram que as regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste apresentam estimativas de maior valor em relação a 2011. A exceção é a redução do valor na região Sul devido às quebras de safra de soja e milho no Rio Grande do Sul e no Paraná. Isso afetou acentuadamente a renda nesses estados, na avaliação do coordenador geral do Mapa, José Garcia Gasques.

No Rio Grande do Sul a redução no valor em 2012 está estimada em 21,2 %. No Centro-Oeste, o modesto aumento do valor da produção neste ano está relacionado principalmente ao pior desempenho do algodão em relação à produção e ao preço. Deve-se observar ainda que o resultado apresentado pelo Mato Grosso do Sul se deve à introdução neste ano dos valores da cana-de-açúcar no estado.

Fonte: MAPA

imprensa@faep.com.br