Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 20/10/2010 - 12h00
Postado em Notícias

20/10/2010 12h00 - Postado em Notícias

Soja terá preços estáveis e demanda aquecida em 2011

Diferente da safra passada, em que as cotações da soja foram influenciadas por fatores especulativos, em 2011 a formação dos preços para comercialização da oleaginosa será fundamentada na lógica da oferta e demanda. "O preço da soja na Bolsa de Chicago (CBOT) ficou engessado ao longo deste ano, entre US$ 9 o bushel e US$ […]

Diferente da safra passada, em que as cotações da soja foram influenciadas por fatores especulativos, em 2011 a formação dos preços para comercialização da oleaginosa será fundamentada na lógica da oferta e demanda. "O preço da soja na Bolsa de Chicago (CBOT) ficou engessado ao longo deste ano, entre US$ 9 o bushel e US$ 10 o bushel. Apenas recentemente subiu para US$ 12 o bushel, quando boa parte da safra brasileira já foi comercializada. A perspectiva é que esse patamar se mantenha na comercialização da safra 2011, mas com a diferença de que não haverá especulação, o seja, os preços serão mais firmes e consistentes", disse o economista Flávio Roberto de França Júnior, diretor técnico da área de soja e oleaginosas e analista sênior do Grupo Safras & Mercado.

Margens apertadas – Ao analisar as tendências para o mercado de soja durante o Seminário Tendência do Agronegócio 2010, na manhã desta terça-feira (19/10), no auditório do Sistema Ocepar, em Curitiba, França Júnior afirmou que as projeções para a safra 2011 de soja apontam um cenário muito diferente em relação a 2010, em que os produtores terão margens mais apertadas em relação à safra passada, porém, ainda positivas. "Os aspectos favoráveis são os custos menores, tecnologia e possivelmente as cotações mais firmes na CBOT. Outro fator positivo são os prêmios de exportação, os quais devem se manter, em média, no patamar entre US$ 0,40 a 0,50 o bushell para a soja em grão no porto de Paranaguá (PR)", comentou. Já as preocupações estarão focadas em dois pontos: clima e câmbio instável. "O clima não apenas preocupa como provoca mudanças no perfil de plantio, tanto que o plantio no Centro Oeste o Brasil já está atrasado", disse. Em relação ao câmbio, França Júnior comentou que o governo brasileiro está tomando medidas internas para conter o ritmo de queda , no entanto, externamente não há o que fazer para evitar a desvalorização do dólar frente ao Real.

Calma – Apesar da tendência de preços melhores em 2011, o analista recomenda que o produtor tenha calma, ou seja, é prudente não ter pressa para comercializar a safra. "Ainda tem muita coisa para acontecer este ano e no próximo, que pode mudar tudo o que está projetado 2011. O meu conselho é vender a produção, mas sem ser agressivo. Não dá para deixar de aproveitar os bons preços, mas é bom seguir uma linha conservadora, sem falar que 2010 é um  ano de margens apertadas, sendo que a expectativa é que os preços melhorem de 10% a 15% na época da colheita", aconselha.

Produção – As estimativas apontam para uma produção mundial de 255,3 milhões de toneladas de soja na safra 2010/11, volume 2% inferior à safra passada. Os Estados Unidos, maior produtor mundial, deve produzir 92,8 milhões de toneladas, enquanto os países da América do Sul devem contabilizar 126,7 milhões de toneladas.

Fonte: Imprensa Ocepar

imprensa@faep.com.br