Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 13/11/2018 - 14h38
Postado em Destaques, Pecuária de Leite

13/11/2018 14h38 - Postado em Destaques, Pecuária de Leite

Leite competitivo

Aliança Láctea Sul Brasileira enumera conquistas de 2018

Na última segunda-feira (12/11) a coordenação da Aliança Láctea Sul Brasileira, fórum que reúne produtores e indústrias do setor leiteiro nos três Estados da região Sul do país, passou para o secretário estadual de Agricultura e Pesca de Santa Catarina, Airton Spies. A transferência do comando acontece por meio de um rodízio onde se revezam dirigentes do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Em 2018 o coordenador foi o diretor executivo do Fundo de Desenvolvimento da Agropecuária do Estado do Paraná (Fundepec) e assessor da presidência da FAEP, Ronei Volpi.

Um dos principais objetivos da Aliança Láctea Sul Brasileira é promover a competitividade do setor de leite e derivados dos três Estados do Sul, harmonizando procedimentos técnicos e sanitários a fim de melhorar a qualidade dos produtos e ganhar mais mercados. Segundo Volpi, a região já responde por 38% da produção brasileira, se consolidando como principal bacia leiteira do país e devendo alcançar 50% nos próximos anos. “É fundamental também que os nossos produtos tenham acesso a novos mercados, uma vez que a produção cresce em ritmo mais acelerado que a demanda e o aumento da população”, afirma, Volpi.

Neste sentido, a Aliança tem obtido apoio da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e de outras instituições voltadas à exportação para estruturar um projeto único de exportação do leite brasileiro e seus derivados. Esta iniciativa – ainda em formato piloto – teve como primeiras ações a participação de representantes do fórum em uma missão à China, na qual foram identificados potenciais mercados e hábitos de consumo do país asiático, que deverá ser um dos principais destinos dos lácteos brasileiros.

Outro ponto de destaque em 2018, foi a atuação decisiva da Aliança Láctea e da FAEP para que a voz do setor produtivo fosse ouvida na elaboração da legislação que rege a qualidade do leite nacional. Nesse episódio foram feitas – e acatadas – diversas contribuições às portarias nº 38 e 39 do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento.

A sanidade, outra preocupação da Aliança Láctea Sul Brasileira, esteve constantemente em pauta nas reuniões do fórum. No último encontro, dia 12 de novembro, foi decidido por unanimidade reivindicar a retomada da produção de antígenos para o diagnóstico de brucelose e tuberculose pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), interrompido em 2016. “O programa nacional de controle e erradicação de brucelose e tuberculose depende desses insumos para combater essas doenças, é fundamental que o instituto retome essa produção que atendia 95% da demanda nacional”, disse Volpi.

Título da Postagem: Leite competitivo

imprensa@faep.com.br