Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 23/08/2018 - 09h09
Postado em Destaques, Logística, Notícias

23/08/2018 09h09 - Postado em Destaques, Logística, Notícias

Frete tabelado começa a fazer estragos na economia, com aumento de preços

Fixação de preços mínimos fará com que o transporte de itens como soja, milho e açúcar suba pelo menos 70%, mas alta pode chegar a 154%. Lei gera incertezas na indústria e no agronegócio

A greve dos caminhoneiros trouxe de volta à agenda econômica uma série de práticas que o Brasil – ou pelo menos uma parte dele – está tentando enterrar: subsídios para combustíveis e tabelamento de preços. Tudo com o cheiro de naftalina dos anos 70.

Uma das “vitórias” da categoria, o tabelamento do frete já começou a fazer estragos na economia. Segundo estudo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq), com a imposição da tabela, o aumento do frete para itens como soja, milho, farelo de soja e açúcar será de 70%, mas pode chegar a 154% se o contratante também pagar o frete de retorno.

Na pressa de acabar com a greve, o governo produziu uma medida provisória confusa que potencializou o grau de incerteza para quem contrata o frete, e a resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que deveria detalhar a medida, não ajudou.

A regra da ANTT não explica o tipo de caminhão que faz jus ao valor estipulado. Um exemplo: a tabela só deu preço para o caminhão de cinco eixos, enquanto o agronegócio tipicamente opera com caminhões de sete, oito ou nove eixos.

Matéria completa em: Correio Braziliense.

Título da Postagem: Frete tabelado começa a fazer estragos na economia, com aumento de preços

imprensa@faep.com.br
Agência de Internet PontoCom