Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 24/05/2011 - 12h00
Postado em Notícias

24/05/2011 12h00 - Postado em Notícias

FEIJÃO: mercado de janeiro a abril

Depois de ser considerado o vilão da inflação em 2010, o feijão começou o ano com comercialização lenta e preços em queda, abaixo do custo de produção e do preço mínimo de R$ 80,00 estabelecido na Política de Garantia de Preços Mínimos – PGPM, com a média do primeiro trimestre variando entre R$ 62,00 e […]

Depois de ser considerado o vilão da inflação em 2010, o feijão começou o ano com comercialização lenta e preços em queda, abaixo do custo de produção e do preço mínimo de R$ 80,00 estabelecido na Política de Garantia de Preços Mínimos – PGPM, com a média do primeiro trimestre variando entre R$ 62,00 e R$ 63,56 para saca de 60 quilos do feijão de cor e preto.

A produção da primeira safra, com a colheita terminada em março, encerrou no valor de 533 mil toneladas no Paraná, com incremento de 9% na produção em relação à safra anterior. O Paraná representou 32% do total de 1,66 milhões de toneladas de feijão produzidas no país.

A partir de março os preços reagiram lentamente passando para uma média de R$ 67,00/sc e R$ 70,81/sc em abril, período caracterizado pelo final da colheita da primeira safra e início do plantio da segunda. No mês de abril os preços médios do feijão preto e de cor, já foram menores em 29% e 8,4% em relação ao mesmo período do ano passado.
As importações de feijão preto de janeiro a abril somaram 28 mil toneladas, provenientes da Argentina, Bolívia e China, das quais 17,6 mil toneladas (62%) tiveram como destino o Paraná. Em 2010 o acumulado das importações totais de janeiro a abril somava 13 mil toneladas.

O porto de Paranaguá, neste quadrimestre, recebeu o maior volume importado de feijão preto comparado com as outras vias e portos. Em abril, as importações do Paraná totalizaram 8,8 mil toneladas, contribuindo ainda mais para desaceleração nos preços do mercado interno.

IMPORTAÇÕESDE FEIJÃO PRETO – JANEIRO A ABRIL 2011

País origem

Quant. Importada (Kg)

Porto/Via

Argentina

5.485.640

Foz do Iguaçu – Rodovia, Dionísio Cerqueira, Porto Xavier, São Borja

Bolívia

720.000

Corumbá – Rodovia

China

22.037.370

Fortaleza – Porto, Rio de Janeiro-Porto, Santos-Porto, Porto de Paranaguá, Dionísio Cerqueira, Itajaí, Porto do Rio Grande.

Fonte: MIDC          Elaboração: FAEP / DTE

Mesmo no período de entressafra de março a abril os preços ficaram reduzidos, dado a maior disponibilidade do produto causada pela comercialização lenta da primeira safra, que ainda resta comercializar 22% e maior volume de importações. A segunda safra já totaliza 27% da área de cultivo colhida e 18% comercializado.

Devido a este cenário ruim de preços e um bom cenário nos preços do milho, a área da segunda safra no Paraná deve reduzir, novamente, agora em 11,5%, segundo estimativa da Conab. No entanto, devido a um aumento de 15% na produtividade, a produção não deve reduzir, mantendo-se estável. No ano passado a redução de 28% na área ocasionou a redução de 19% na produção.

Considerando o percentual comercializado mês a mês versus os preços médios mensais a rentabilidade da safra atual até abril já é 6% inferior a do mesmo período da safra passada.

Como neste ano a disponibilidade do produto é maior, comparado ao ano passado, em decorrência de uma produção maior e importações maiores os preços nos próximos meses podem continuar sofrendo quedas.

Fonte: Tânia Moreira -FAEP / DTE


imprensa@faep.com.br
Agência de Internet PontoCom