Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 10/08/2011 - 12h00
Postado em Notícias

10/08/2011 12h00 - Postado em Notícias

Alta do milho eleva demanda por trigo para ração de gado

Em uma inversão de tendências históricas, a cotação do milho está mais alta que a do trigo, uma anomalia que está causando rebuliço nas estratégias de negociação de commodities e mudando a forma como produtores de carne alimentam seus animais. As americanas Tyson Foods Inc. e Pilgrims Pride Corp., esta subsidiária da JBS SA, que […]

Em uma inversão de tendências históricas, a cotação do milho está mais alta que a do trigo, uma anomalia que está causando rebuliço nas estratégias de negociação de commodities e mudando a forma como produtores de carne alimentam seus animais.

As americanas Tyson Foods Inc. e Pilgrims Pride Corp., esta subsidiária da JBS SA, que juntas processam um total de 3,7 bilhões de frangos por ano, começaram a acrescentar trigo na ração de suas aves, normalmente uma mistura à base de milho. Os produtores de gado e etanol também estão usando trigo como complemento ao milho.

As mudanças refletem a inversão nos preço do milho e trigo.

O trigo normalmente custa muito mais do que o milho, com uma diferença de 31% na negociação de janeiro. Mas o milho subiu 7% este ano, em meio a uma queda na oferta e à crescente demanda da China. O trigo, por sua vez, teve queda de 17%, à medida que muitos países registram enormes colheitas.

A mudança tem sido vista nos lucros das empresas.

A Tyson Foods divulgou segunda-feira uma queda de 21% no lucro do trimestre encerrado em julho em comparação com o mesmo período do ano anterior, citando custos mais elevados da ração dos frangos.

Em resposta, a Tyson agora usa pequenas quantidades de trigo "quando o preço é certo", diz Gary Mickelson, porta-voz da empresa de Springdale, no Estado do Arkansas. A Tyson também estuda a possibilidade de usar outros grãos. Um porta-voz diz que a empresa começou a usar um pouco de trigo para alimentar seus frangos em algumas regiões.

Desde 1970, o trigo tem registrado um custo médio US$ 1 superior ao do milho por bushel (cerca de 25 quilos). A razão para a diferença é que o trigo é usado principalmente para alimentar pessoas, na farinha, massas e doces, enquanto o milho é mais usado para alimentar animais.

Em abril, porém, os preços do milho superaram os do trigo pela primeira vez em mais de dez anos na Bolsa de Commodities de Chicago, em parte devido à forte demanda da China.

Ontem, o milho fechou em US$ 6,88 por bushel e o trigo terminou em US$6,71 por bushel.

Por causa da inversão, pecuaristas e usinas de etanol estão usando mais trigo. A produtora chinesa de porcos Breed Muyuan Co. Ltd. está comprando atualmente cerca de 200 toneladas de trigo por dia.

Para os operadores do mercado, o movimento de preços está desmantelando uma estratégia comum na qual apostam na diferença entre a cotação do milho e do trigo.

Nesta época do ano, muitos operadores normalmente apostariam que a cotação do trigo estaria mais alta que a do milho, já que a colheita do trigo no hemisfério norte já terminou e mais suprimentos de milho chegarão em breve ao mercado, diz Bob Bresnanhan, diretor-presidente da Trilateral Inc., uma consultora agrícola. Mas muitos operadores têm se mantido longe das especulações este ano, porque "o elemento da certeza sazonal não está presente", diz.

A maior parte do etanol dos Estados Unidos é produzido a partir do milho, mas o combustível também pode ser feito com trigo. A Andersons Inc., uma produtora de etanol do Estado de Ohio, começou a usar como matéria-prima uma mescla que contém cerca de 5% de trigo numa de suas três usinas, diz Hal Reed, presidente da divisão de grãos e etanol da empresa.

Embora a quantidade de trigo seka pequena, ela pode "ajudar a poupar um pouco", diz. É pouco provável que a flutuação de preços chegue a afetar produtos de milho e trigo para o consumidor. Mas isso poderia mudar se a cotação do milho continuar alta, como esperam muitos analistas. Uma onda de calor está comprometendo boa parte do cinturão agrícola americano, e vários analistas esperam que o Departamento de Agricultura dos EUA revise amanhã para baixo a projeção da produção de milho quando divulgar o relatório de agosto sobre a atual safra, o que poderia dar um impulso ainda maior à cotação do milho. E a demanda continua forte na China, que agora também precisa de muito milho para seus animais.

Apesar da cotação, muitos pecuaristas estão relutantes em alternar entre milho e trigo porque os animais tendem a reduzir a ingestão de alimentos quando se ajustam a uma nova dieta, diz Jay ONeil, economista especializado em agricultura da Universidade Estadual de Kansas.

A Tyson e a Pilgrims Pride informaram que só estão usando uma pequena quantidade de trigo na ração de frangos. William Roenigk, vice-presidente do Conselho Nacional de Avicultores, disse que o trigo precisa ficar10% mais barato que o milho para que os produtores possam realmente economizar usando mais trigo.

Fonte: Valor Econômico – Carolyn Cui | The Wall Street Journal

imprensa@faep.com.br