Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 19/04/2012 - 12h00
Postado em Notícias

19/04/2012 12h00 - Postado em Notícias

Soja atinge novo recorde no PR

Demanda externa e quebra na safra sul-americana levam o produto a R$ 60 por saca em Paranaguá, valor mais alto que o registrado durante o pico da Bolsa de Chicago em 2008 O apetite quase insaciável da China pela soja tem levado as cotações do produto aos mais altos patamares da história, tanto no mercado […]

Demanda externa e quebra na safra sul-americana levam o produto a R$ 60 por saca em Paranaguá, valor mais alto que o registrado durante o pico da Bolsa de Chicago em 2008

O apetite quase insaciável da China pela soja tem levado as cotações do produto aos mais altos patamares da história, tanto no mercado internacional como no brasileiro. Apesar das baixas registradas na Bolsa de Chicago (CBOT) nos últimos dias, a oleaginosa não para de subir no Brasil e também no Paraná.

Enquanto se mantém acima de US$ 14 por bushel nos pregões norte-americanos, a saca de 60 quilos do produto não é negociada por menos de R$ 50 desde março no estado. De acordo com operadores, ontem as ofertas de compra chegavam a R$ 60 por saca no Porto de Paranaguá, a praça mais valorizada do estado. Em Ponta Grossa (Campos Gerais), o produto nem sequer entra nos armazéns. Os negócios estão sendo efetivados a R$ 57 por saca, valor bem acima das maiores médias históricas.

Com uma produção crescente, o Brasil tem abocanhado fatia cada vez maior das vendas para a China. Nos três primeiros meses deste ano, os embarques mais que duplicaram. Mais de 4 milhões de toneladas de soja deixaram o estado nos primeiros três meses deste ano para alimentar o mercado chinês. No ano passado, o volume foi de 1,8 milhão de toneladas no mesmo período.

No primeiro trimestre deste ano, as exportações paranaenses de soja para a China foram 730 mil toneladas acima do enviado no mesmo período do ano passado, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Com isso, a participação do estado nas compras chinesas, que no ano passado era de 54%, subiu para 73%. Do 1,3 milhão de toneladas de soja que saíram do Porto de Paranaguá de janeiro a março de 2012, 1 milhão foi para a China.

“As condições econômicas e sociais dos chineses vêm melhorando. Então, a tendência é que o consumo de proteína [carnes] se mantenha elevado no país”, explica Carlos Alexandre Gallas, operador de mercado agrícola da Intertrading.

Os números das consultorias confirmam essa tendência. Entre outubro de 2011 e setembro de 2012, os chineses devem aumentar suas importações para mais de 55 milhões de toneladas, ante 52 milhões consumidas nos 12 meses anteriores.

Para estimular ainda mais o mercado, os exportadores têm oferecido altos prêmios a quem tem produto disponível. Atualmente, o vendedor ganha até 70 centavos de dólar por bushel (27,2 quilos) sobre a cotação da Bolsa de Chicago – R$ 2,8 por saca de 60 quilos. A previsão do setor é que esse bônus seja mantidos nos próximos meses.

“O mercado mundial vai continuar com uma situação de oferta escassa, não tem de onde aparecer soja”, comenta Steve Cachia, analista da Cerealpar, considerando a redução de mais de 400 mil hectares na área de soja nos Estados Unidos, principal produtor mundial.

Paulo Baraldi, da Soma Corretora, explica que, além da demanda aquecida, a alta dos prêmios de exportação está atrelada à redução da safra sul-americana na última temporada por causa da seca. “Muitos negócios foram realizados no passado com previsão de uma grande safra na América do Sul. De repente, temos uma quebra acima de 20 milhões de toneladas no continente”, frisa.
 
FOnte: Gazeta do Povo Online – Curitiba/PR -Cassiano Ribeiro

imprensa@faep.com.br