Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 29/11/2019 - 07h38
Postado em Destaques, Programa Empreendedor Rural

29/11/2019 07h38 - Postado em Destaques, Programa Empreendedor Rural

Profissionalização do campo como chave para o desenvolvimento

Zander Navarro falou a uma plateia de quase 5,5 mil produtores sobre os desafios e oportunidades do agronegócio

As mudanças ocorridas no meio rural nas últimas décadas transformaram a cara do agronegócio brasileiro. Se por um lado ser produtor rural hoje é uma atividade muito mais complexa do que era antigamente, também existem muito mais oportunidades para aqueles que se preparam para este desafio. Essa é a percepção do pesquisador Zander Navarro, mestre em sociologia rural e doutor em sociologia, que proferiu a palestra magna no Encontro Estadual de Líderes e Empreendedores Rurais, realizado no dia 22 de novembro.

Com o tema “A economia agropecuária brasileira: Desafios e oportunidades”, a palestra trouxe dados do passado para mostrar de que forma o agronegócio brasileiro trilhou um caminho virtuoso para chegar até o momento atual – no qual o país é um dos principais players econômicos mundiais –, e as estratégias para um futuro igualmente produtivo.

Navarro iniciou sua fala parabenizando os 10 finalistas do PER que se encontravam na plateia. Segundo ele, o Paraná vem se consolidando como grande celeiro de empreendedores e protagonistas do agronegócio. “O Paraná é uma exceção. O Brasil seria infinitamente melhor se tivéssemos 20 Paranás”, observou.

Segundo o sociólogo, desde 1998, o país passa por uma nova fase de desenvolvimento que não encontra precedentes em nossa história recente. Esse salto se deve, principalmente, ao espírito empreendedor dos nossos produtores rurais, que nos últimos anos se organizaram e se prepararam para se tornarem protagonistas do próprio destino.

Para se ter ideia, entre 1948 e 1969, os ganhos em produção se davam exclusivamente pelo aumento da área cultivada. Atualmente, a realidade é muito diferente. O Paraná observa seus números de produtividade crescerem ano após ano, sem aumentar um único hectare. O segredo está na capacitação para o uso da tecnologia, sinônimo de produtividade no campo. “Hoje os produtores buscam tecnologias, deixam o achismo e o amadorismo de lado e se tornam verdadeiros profissionais naquela atividade”, atestou Navarro.

Nesse processo, o palestrante aponta como um dos fatores decisivos a “privatização da vida rural”. Segundo ele, em 1970, o percentual de produtores “arrendatários” era de 20%, e o de proprietários “de fato” (com e sem titulação) era de 59,5%. Já em 2017, os arrendatários somavam apenas 5,4% enquanto os proprietários correspondiam a 81%, em todo Brasil, sendo que o Paraná possuía um índice ainda maior: 83,2% de proprietários. “Essa virada se deu nos anos 90, com o advento da globalização. O estado foi se retraindo e sua presença diminuiu no campo.

Houve a estabilização monetária e outros fatores que contribuíram para esse processo”, avaliou.

Sobre a presença do poder público no desenvolvimento da agropecuária, Navarro observa que o governo está cada vez mais lavando as mãos em relação à agropecuária. “Os gastos públicos destinados à agricultura vêm caindo depois dos anos 90. De lá para cá, se investe cada vez menos nas regiões rurais”, apontou.

Por fim, o palestrante indicou que a agropecuária brasileira tem condições de crescer quatro ou cinco vezes mais nos próximos anos. “Felizmente os jovens conseguem ver essas oportunidades no campo”, finalizou.

Título da Postagem: Profissionalização do campo como chave para o desenvolvimento

imprensa@faep.com.br