Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 16/05/2012 - 12h00
Postado em Notícias

16/05/2012 12h00 - Postado em Notícias

Por falta de espaço, navios esperam até 40 dias para atracar em Paranaguá

Fonte: Rafael Moro Martins, Do UOL, Curitiba Um congestionamento acumula navios na costa do Paraná. Eles aguardam uma vaga para atracar no porto de Paranaguá (a 98 km de Curitiba), principal ponto de embarque e desembarque de grãos da América Latina. A espera vai de 20 a 40 dias. No fim de semana, havia cerca […]

Fonte: Rafael Moro Martins, Do UOL, Curitiba

Um congestionamento acumula navios na costa do Paraná. Eles aguardam uma vaga para atracar no porto de Paranaguá (a 98 km de Curitiba), principal ponto de embarque e desembarque de grãos da América Latina. A espera vai de 20 a 40 dias. No fim de semana, havia cerca de 50 navios aguardando na fila.

A Appa, autarquia do governo do Estado que administra o terminal, afirma que a combinação entre bons preços no mercado de commodities, dólar valorizado e condições meteorológicas desfavoráveis causam a fila, que "não é habitual". Segundo a administração, a fila pode ser reduzida "rapidamente".
 "Fila de navios é assunto tradicional em Paranaguá", rebate Nilson Camargo, assessor técnico-econômico e especialista em infraestrutura de transporte para o agronegócio da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep). "Elas se agravam nessa época de pico na exportação de granéis, mas são comuns o ano todo."

A causa do problema é conhecida. "A infraestrutura não acompanhou a demanda. Em 1990, Paranaguá movimentou cerca de 13 milhões de toneladas de cargas. Em 2011, foram  41 milhões de toneladas. E o porto é exatamente o mesmo, com o agravante de que os equipamentos se depreciaram nesse período", diz Camargo.

"Se há espera, há deficiência, não há dúvida. Investimentos em infraestrutura chegam muito depois da demanda", diz João Gilberto Cominese Freire, diretor do Sindop, sindicato que representa os operadores portuários (empresas que fazem carga e descarga), e presidente do conselho de administração da Rocha Terminais Portuários e Logística.

"Em Paranaguá, faltam investimentos em dragagem, vias de acesso, readequação de equipamentos, que são antigos. Os equipamentos do corredor de exportação [de graneis] têm quase 40 anos", declara Freire.

Camargo também reclama de deficiência da aparelhagem. "Os guindastes do corredor de exportação movimentam 800 toneladas por hora, muito abaixo da capacidade nominal de 1.500 toneladas. Eles são velhos, obsoletos. Precisamos de mais cais, e de mais profundidade nos pontos de atracação. Como hoje ela é pequena, os navios precisam sair com menos carga. Mas o custo do frete é o mesmo", afirma Camargo.

O resultado da combinação entre alta demanda e infraestrutura deficiente são as filas. "Hoje, um navio espera, em média, 20 dias até haver espaço para atracar. Mas a demora pode chegar a 40 dias", diz o analista da Faep.

A situação é mais crítica na exportação de soja, milho e açúcar e no desembarque de fertilizantes.

Operadores e embarcadores acabam tendo de pagar uma multa aos armadores (donos dos navios) pelo atraso nas operações. "Em 2011, pagaram-se em Paranaguá US$ 115 milhões em multas apenas na importação de fertilizantes. É um número muito considerável. Com esse dinheiro, poderia se fazer um corredor de exportação novo", diz Freire.

A solução para o problema depende de investimentos. "A Appa não tem dinheiro para isso. Dependemos de recursos federais", diz o analista da Faep.

Freire é mais otimista. "Vemos, pela primeira vez em alguns anos, esforço em resolver os problemas que existem há décadas. Os governos estadual e federal são cientes dos problemas de Paranaguá, que se arrastam por décadas. Mas as soluções vêm a passos muitos lentos, pois governos têm limitações e burocracia. Mas há, ao menos, boa comunicação entre Curitiba e Brasília."

imprensa@faep.com.br