Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 24/01/2014 - 10h57
Postado em Agronegócios, Infraestrutura, Logística

24/01/2014 10h57 - Postado em Agronegócios, Infraestrutura, Logística

Norte do Paraná se mobiliza para alterar ferrovia

A proposta, segundo as lideranças, segue o traçado original do trecho Sul da EF 151 e contraria o projeto que liga Panorama a Maracaju (MS) e entra no Paraná através de Guaíra e Cascavel

161Projetada para promover a integração nacional e minimizar os custos do transporte, a Ferrovia Norte Sul, a EF 151, está levando lideranças do Norte do Paraná a se mobilizarem por um traçado que contemple a região e corte o estado ao “meio”. Prefeitos e associações empresariais e do agronegócio querem que o modal passe pelos municípios de Apucarana, Guarapuava e Pato Branco no trecho que deverá ligar Panorama, no interior paulista, a Chapecó, em Santa Catarina. A proposta, segundo eles, segue o traçado original do trecho Sul da EF 151 e contraria o projeto que liga Panorama a Maracaju (MS) e entra no Paraná através de Guaíra e Cascavel.

INFOGRÁFICO: Veja as ligações da Ferrovia Norte Sul

INFO_ferrovia_norte_sul_240114

 

Proposta na Valec inclui travessia por Maringá e Cascavel

Nem a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) nem a Valec ? Engenharia, Construções e Ferrovias S.A se pronunciam oficialmente sobre os projetos em estudo da Ferrovia Norte Sul. A única informação repassada pela Valec é de que o trecho de Panorama (SP) a Chapecó (SC) não foi suprimido.

Segundo a companhia, a ligação entre Maracaju (MS) e Cascavel (PR) não representa uma alternativa a este trecho, mas um segundo corredor ferroviário, a EF 484. Com isso, a proposta que segue em estudo ainda inclui as regiões de Londrina, Maringá e Cascavel, sem passar, entretanto, por Apucarana e Guarapuava. A Norte Sul é uma ferrovia longitudinal, diferente da EF 484, considerada uma coletora.

A expectativa é que os estudos de viabilidade técnica da Norte Sul sejam concluídos até abril. O raio de influência da nova ferrovia deve ser de 100 km para cada região contemplada no traçado.

Mais veloz

A Norte Sul foi projetada com a largura entre os eixos maior, o equivalente a 1,60 metro. A nova ferrovia também tem condições de oferecer uma velocidade de transporte dos comboios ferroviários mais rápida que os corredores ferroviários convencionais ? 80 quilômetros por hora, em vez de 27 quilômetros por hora. A Norte Sul terá cerca de 4,2 mil quilômetros de extensão e ligará Barcarena (PA) a Rio Grande (RS).

A reivindicação foi pauta de uma reunião recente entre gestores municipais, em Londrina. Eles pretendem expor a senadores e deputados federais os prejuízos que a região poderá ter caso o novo traçado seja mantido. A preocupação, explica o prefeito de Londrina, Alexandre Kireeff (PSD), é com o risco de tornar o Norte do estado isolado em termos de porto e transporte ferroviário. “Isso vai nos deixar fora da possibilidade de nos interligarmos com a região Central e Norte do Brasil, de maneira eficient”, diz.

O gestor assinala que os prefeitos querem que o traçado reivindicado seja considerado pelo governo como uma prioridade. Ele pontua que, até então, o governo já teria sinalizado que, caso não seja suprimido, o trecho poderá contar com uma “condição secundária” em relação a outro projeto. “Mas, entre os gestores, há o entendimento de que o traçado original é fundamental para o desenvolvido a médio e a longo prazo da região”, define Kireeff.

Competitividade

Para o prefeito de Apucarana, Beto Preto (PT), os gestores envolvidos não querem prejudicar o Oeste do estado, incluído no novo traçado, mas melhorar os custos do frete para a região Norte. O mesmo deve ocorrer com as condições de escoamento da produção agrícola local. “Temos muita dificuldade para obter recursos do Estado e precisamos nos desamarrar disso para crescer, sob pena de vermos indústrias buscarem outras regiões para se instalarem nos próximos anos”, salienta.

O presidente da Asso­ciação Comercial e Industrial de Londrina (Acil), Flávio Balan, também enfatiza que a bandeira encampada beneficiará toda a região Norte, que, segundo ele, enfrenta no transporte pedágios caros, riscos de acidentes e rodovias saturadas. “As empresas preferem estradas boas e próximas ao porto para se instalarem”, pontua.

Atualmente, a maioria dos investimentos privados do Paraná Competitivo está concentrada em Curitiba e região metropolitana e nos Campos Gerais, segundo dados da Secretaria da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul. A distância do Porto de Paranaguá e da capital e as condições de infraestrutura estariam entre os motivos que ainda afastam empresas das demais mesorregiões do Paraná.

 

Fonte: Gazeta do Povo – Curitiba/PR

Título da Postagem: Norte do Paraná se mobiliza para alterar ferrovia

imprensa@faep.com.br