Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 01/10/2019 - 08h43
Postado em Destaques, Milho, Notícias

01/10/2019 08h43 - Postado em Destaques, Milho, Notícias

Cigarrinha do milho acende alerta a produtores do Paraná

Até então restrita aos Estados mais quentes, praga agora gera perdas no PR. Confira dicas para evitar danos nas lavouras

A cigarrinha do milho é um velho conhecido dos produtores de milho de Estados das regiões mais quentes do país, como Centro-Oeste, Norte e Nordeste. Mas o problema agora também preocupa os agricultores do Paraná. A temporada 2018/19 marcou a chegada da praga com força, sendo o primeiro ano em que causou prejuízos significativos nas plantações paranaenses. Há relatos de até 70% de perdas em relação ao potencial produtivo, com a colheita na faixa das 40 sacas por hectare (a média do Paraná costuma ficar acima das 100 sacas por hectare).

Cevio Mengarda, de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, dedicou 650 hectares ao milho safrinha na última temporada. Em um dos talhões da propriedade, de cerca de 35 hectares, perdeu 50% do potencial produtivo da plantação. “No meu caso até que foi pouco. Teve produtores com bem mais problemas. Na média geral acredito que eu tive cerca de 10% de quebra”, calcula. “A cigarrinha é um problema que exige atenção, além da consciência de que não é algo só nesse ano. É uma nova realidade que teremos que conviver”, prevê o produtor.

Com base nisso, o Departamento Técnico Econômico (DTE) da FAEP preparou uma nota técnica sobre o tema, disponível no site www.sistemafaep.org.br, na seção Serviços. O documento traz um apanhado histórico sobre o problema no Brasil. Além disso, explica o que é a cigarrinha, as razões de causar prejuízos na cultura, como a praga age nas plantas e o mais importante: como fazer o controle (ver quadro na página 19). “Inicialmente, nosso foco maior foi a região Oeste, onde houve condições climáticas favoráveis na última safra e a praga estourou em alguns locais”, alerta a engenheira agrônoma do Sistema FAEP/SENAR-PR Ana Paula Kowalski.

A cigarrinha é um inseto que, ao atacar o milho, transmite doenças por meio de bactérias (moliculites). Os efeitos são percebidos nos chamados enfezamentos (pálido e vermelho). A transmissão ocorre depois que o inseto se alimenta de uma planta contaminada e, após um período de incubação, come outra planta. “Os problemas costumam ocorrer com maior intensidade nos estágios iniciais de desenvolvimento das plantas, pois a praga migra para outras lavouras nas fases de reprodução e colheita. As temperaturas acima de 25 graus também favorecem o ciclo dessa praga”, descreve a agrônoma.

As características da cigarrinha tornam seu controle mais difícil que o de outras pragas. Isso exige que haja uma ação coordenada de produtores de uma determinada região. “Para controle da cigarrinha e dos enfezamentos não há estratégia única e muito menos isolada. As medidas de manejo combinadas precisam ser adotadas em âmbito regional para garantir a eficiência, pois o inseto pode migrar por longas distâncias, além de possuir um elevado potencial de disseminação da doença”, completa Ana Paula.

De acordo com Heitor Richter, membro da Comissão Técnica de Cereais, Fibras e Oleaginosas da FAEP, o tema cigarrinha vem ganhando espaço nos debates entre produtores paranaenses. O próprio produtor teve problemas em sua lavoura nesse ano e diversos vizinhos sofreram com danos causados pelo inseto.

“Um passo importante é a eliminação do ‘milho tiguera’ [nascido acidentalmente com a queda de sementes no solo]. Na minha opinião, tem que se começar a pensar até mesmo em um pequeno vazio sanitário, se não a nível maior, pelo menos de forma regionalizada. Acredito que é importante colocar o tema em debate, ter mais dados na mão para tomar decisões”, sugere.

MIP Milho

Um dos pontos mais importantes no combate a qualquer doença nas lavouras é a identificação das pragas que atacam a cultura. Para isso, é importante que os produtores, engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas estejam qualificados para fazer o monitoramento das plantações. Uma forma de obter esse conhecimento, a partir da safrinha 2019/20, será por meio do curso “Inspetor de Manejo Integrado de Pragas (MIP) Milho”. Após o sucesso das turmas do MIP Soja, agora os produtores do cereal também poderão contar com o curso do SENAR-PR.

O MIP é uma importante ferramenta para tornar possível o uso das diversas formas de estratégica de controle de insetos praga nas propriedades rurais do Paraná. Para mais informações sobre a formação, basta procurar o sindicato rural do município ou um dos escritórios regionais do SENAR-PR. Os endereços estão disponíveis no site www.sistemafaep.org.br.

Embrapa fez investigação

O problema da cigarrinha no Paraná chamou a atenção de órgãos de pesquisa do país. A Embrapa Milho e Sorgo, com sede em Sete Lagoas, Minas Gerais, enviou pesquisadores para fazer um trabalho de investigação sobre a praga e as doenças causadas nas lavouras do Oeste do Estado. O resultado pode ser conferido em uma nota técnica elaborada pela entidade, também disponível para download no site www.sistemafaep.org.br na seção Serviços.

Leia mais no Boletim Informativo.

imprensa@faep.com.br