Cenário exige cautela do setor leiteiro

Maria Silvia Cavichia Digiovani, Engenheira-Agrônoma do DTE/FAEP

Produtores de leite atravessam um período de custos de produção em alta e preços do leite em baixa. Em abril de 2015 a média dos preços pagos aos produtores paranaenses (valor nominal) foi R$ 0,85/litro, valor 12,5% abaixo do praticado em março do ano passado (Secretaria da Agricultura do estado do Paraná).

Captura de Tela 2015-05-05 às 13.11.40

Em valores deflacionados, conforme mostra o gráfico, os preços do leite ao produtor em 2015 estão abaixo dos verificados nos últimos 4 anos.

Em março de 2014 o produtor paranaense recebeu em média R$ 0,94/litro de leite (preço líquido). Naquele mês foram necessários 1.213 litros de leite para pagar 1 tonelada de ração para vaca leiteira (Secretaria da Agricultura do Estado do Paraná). Em março de 2015 o produtor recebeu R$ 0,82 pelo litro de leite e gastou o equivalente a 1.451litros para comprar 1 tonelada da mesma ração. Em um ano o preço da ração aumentou 4,5 % e o preço do leite caiu 12,5%.

Segundo os últimos dados divulgados pelo Centro De Estudos Avançados Em Economia Aplicada – CEPEA ESALQ/USP, a margem bruta do produtor de leite, dada pela equação receita-custo operacional efetivo, teve queda de 36,2% entre fevereiro de 2014 e fevereiro de 2015, influenciada principalmente pelos aumentos de salários, dos insumos com preços atrelados ao dólar e da energia elétrica.

Explica-se a queda no preço do leite pela situação econômica desfavorável no país que causou retração no consumo das famílias, aliada ao aumento constante da captação de leite. Segundo dados do IBGE o consumo das famílias cresceu 0,9% em 2014, enquanto de 2003 e 2013 a média de crescimento foi de 4,3%.

No caso do leite a queda maior no consumo se verifica nos produtos de alto valor agregado, como queijos e iogurtes, considerados supérfluos para uma família que teve diminuição de renda.

No atacado paranaense o preço do queijo mussarela caiu 8,3% comparando a média de preços de 2014 com a média do 1º trimestre de 2015. No mesmo período a queda no preço do leite UHT foi de 7%.

O cenário no mercado internacional não é diferente: o preço do leite em pó, principal comodity láctea comercializada, caiu de US$ 5 mil/tonelada em 2014 para US$ 2,6 mil em março de 2015. A liberação das cotas de produção na União Europeia nesse ano levam a crer que haverá excedente de produção de matéria prima, mantendo a pressão negativa de preços.

No cenário nacional os preços ao produtor já começam a reagir levemente em função da sazonalidade de produção, porém não se espera para esse ano recuperação na renda dos consumidores e consequentemente não deverá haver força para altas consideráveis de preços.

Por isso, aos produtores de leite recomenda-se redobrar a atenção com a administração e cautela nas tomadas de decisão. Se na contabilidade do leite medem-se as entradas em centavos, as saídas devem ser medidas na mesma moeda e racionalizar os gastos nas áreas mais sensíveis da propriedade, como compra de alimentos, medicamentos, produtos de limpeza, consumo de energia, pode significar menos tropeços para atravessar esse período de dificuldades.

imprensa@faep.com.br