Balança Comercial do Agronegócio – Brasil

Tânia Moreira, Economista do DTE/FAEP

No primeiro quadrimestre do ano a balança comercial do agronegócio brasileiro resultou em superávit de US$ 20,5 bilhões enquanto o resultado da balança comercial brasileira registrou um déficit de US$ 5,06 bilhões no mesmo período, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

As exportações do agronegócio brasileiro neste período foram de US$ 25,4 bilhões com importações de US$ 4,9 bilhões, com queda em relação ao mesmo período do ano passado tanto para as exportações como para as importações.

O preço internacional menor para algumas commodities, como o milho e soja, aliado a desvalorização do real frente ao dólar explicam o recuo tanto nas exportações como nas importações.

As importações brasileiras de trigo, por exemplo, recuaram em 60% no volume exportado comparativamente ao mesmo período do ano passado.

De janeiro a abril de 2014 as exportações do agronegócio eram de US$ 29,8 bilhões. China, Estados Unidos e Holanda foram os três maiores parceiros comerciais do Brasil na pauta de exportação do agronegócio, com os produtos soja em grãos, café em grãos, carne de frango e açúcar em bruto representando os maiores valores exportados.

Exportação e importação do agronegócio brasileiro no primeiro quadrimestre do ano (US$ milhões)

img01

As exportações brasileiras do agronegócio tiveram uma retração de 14,5% em relação ao mesmo do período ano passado. Em relação ao mês de março, as exportações de abril também registraram recuo de 10%.

EXPORTAÇÕES DE MILHO

As exportações de milho do primeiro quadrimestre do ano totalizaram US$ 964 milhões com retração de 6,5% em relação ao valor exportado no mesmo período do ano passado.

A quantidade exportada neste período manteve-se praticamente igual ao volume exportado do ano passado. Foram 5,13 milhões de toneladas contra as 5,12 milhões do ano anterior.

No caso do milho, os preços médios inferiores neste ano é o que contribuiu para uma menor receita na exportação. O preço internacional na Bolsa de Chicago recuou 18% comparando o primeiro quadrimestre de 2015 ao mesmo período do ano anterior. No mercado interno, no Paraná, o preço médio recebido pelo produtor recuou 9,4% nesse período.

Mato Grosso, Paraná e Goiás foram os três maiores estados exportadores com o Vietnã, Malásia e Indonésia sendo os maiores parceiros comerciais.

No Paraná as exportações totalizaram US$ 112 milhões com queda de 5% em relação ao ano anterior, e aumento de apenas 1,4% no volume exportado. As exportações do Estado corresponderam a 12% das exportações de milho em grãos do país, neste período.

A estimativa da consultoria Safras e Mercados é que na safra 2014/15 sejam exportadas 21,4 milhões de toneladas no Brasil, com uma demanda interna de milho de 56,8 milhões de toneladas, frente a uma disponibilidade interna de 90,6 milhões de toneladas.

No Paraná, os mesmos dados demonstram que deverão ser exportadas cerca de 6,5 milhões de toneladas no Estado, com uma demanda interna em torno de 10,6 milhões de toneladas, frente a uma disponibilidade de 19,9 milhões de toneladas, restando um estoque final de 2,5 milhões de toneladas.

As exportações brasileiras e paranaenses do mês de abril recuaram em comparação ao mês de março, o que pode ser atribuído a uma maior queda dos preços internacionais do milho neste mês, comparativamente ao mês anterior.

img02

Na pauta de exportação do agronegócio as exportações de milho em grãos corresponderam por 4% valor total exportado em dólares.

EXPORTAÇÕES DE SOJA EM GRÃOS

As exportações de soja do primeiro quadrimestre do ano totalizaram US$ 5,127 bilhões com retração de 41% em relação à receita do ano anterior, considerando o mesmo período.

O volume exportado neste período totalizou 13 milhões de toneladas em relação as 17,3 milhões exportadas em igual período do ano anterior, uma queda de 24%.

Não só o volume exportado foi menor como o preço médio, contribuindo para uma menor receita neste ano. O preço médio de janeiro a abril em relação ao mesmo período do ano passado recuou 22%.

Comparando abril ao mês anterior as exportações se aceleraram, a receita cresceu 15% enquanto o volume exportado 17%, com um recuo de 2% nos preços médios.

img03

Comparando ao mês de abril do ano passado o valor exportado foi 38,7% inferior, com o volume exportado 20% menor, com recuo de 24% nos preços.

O preço médio internacional menor nesta safra aliado ao atraso da colheita e comercialização de soja no Brasil ajudam a explicar a menor receita com as exportações de soja no período de janeiro a abril deste ano.

No Paraná o recuo no quadrimestre em relação ao ano anterior foi maior que o nacional, sendo de 32% para o volume exportado e de 46% no valor exportado, o que acabou refletindo a situação do atraso da comercialização especialmente no mês de fevereiro e março.

As exportações paranaenses de soja em grão no mês de abril comparando ao mês de março cresceram 77% em quantidade e 70% no valor, apesar de um recuo de 4% nos preços em dólares.

Na pauta de exportações do agronegócio brasileiro a soja em grãos respondeu por 20% das exportações do período.

img04

imprensa@faep.com.br