Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 16/03/2012 - 12h00
Postado em Notícias

16/03/2012 12h00 - Postado em Notícias

Venda precoce de soja “turbina” exportações

Infladas pela antecipação dos embarques de soja, as exportações de produtos paranaenses somaram US$ 2,38 bilhões no primeiro bimestre deste ano, valor 26% superior ao do mesmo intervalo de 2011. Foi a primeira vez desde 2006 que as vendas do Paraná a outros países cresceram em ritmo superior ao das importações – estas aumentaram 23%, […]

Infladas pela antecipação dos embarques de soja, as exportações de produtos paranaenses somaram US$ 2,38 bilhões no primeiro bimestre deste ano, valor 26% superior ao do mesmo intervalo de 2011. Foi a primeira vez desde 2006 que as vendas do Paraná a outros países cresceram em ritmo superior ao das importações – estas aumentaram 23%, para US$ 3,03 bilhões.

O crescimento das exportações foi disseminado: de 91 grupos de produtos monitorados pelo Ministério do Desenvolvimento, 57 faturaram mais neste ano. Mas a expansão não teria sido a mesma sem a soja. Apesar da quebra da safra estadual – que deve ser 23% menor que a do ano passado, segundo projeção da Expedição Safra Gazeta do Povo -, os embarques do grão foram multiplicados por dez em relação aos registrados nos dois primeiros meses de 2011, atingindo 735 mil toneladas, vendidas por US$ 335 milhões. Sem a soja, as exportações do estado teriam crescido somente 10%.
A explicação para o fenômeno está no crescimento da demanda externa, que elevou preços e "prêmios" do grão, estimulando os produtores locais a vender mais cedo sua produção. Segundo algumas corretoras, nos últimos dias os importadores têm oferecido "extras" de mais de US$ 0,60 por bushel (27,2 kg) para a soja embarcada por Paranaguá, algo incomum em época de colheita. Esse prêmio equivale a quase 5% da cotação atual do grão no mercado internacional.

Outros destaques do primeiro bimestre foram as exportações de veículos e peças, que cresceram 52%; de açúcar, que aumentaram 65%; e de combustíveis, que quase duplicaram em relação ao acumulado dos dois primeiros meses de 2011. As vendas de veículos e combustíveis contaram com colaboração da Argentina, que, embora tenha erguido novas barreiras protecionistas, elevou as compras desses produtos.

Déficit

O crescimento mais rápido das exportações não evitou que o saldo da balança paranaense ficasse negativo pelo sétimo mês seguido, muito embora em fevereiro a diferença entre exportações e importações tenha sido de apenas US$ 3,4 milhões. No bimestre, o déficit comercial somou US$ 649 milhões, bem superior ao de US$ 567 milhões do começo do ano passado.

O maior importador do período foi o setor automotivo, que, entre veículos prontos e componentes, trouxe do exterior US$ 597 milhões no primeiro bimestre, quase o dobro do que faturou com suas vendas a outros países.

Argentina compra mais carros e combustíveis

A entrada em vigor de novas barreiras comerciais na Ar­gen­tina, em 1.º de fevereiro, não impediu que as exportações do Paraná ao país vizinho fechassem o mês com forte crescimento. Os argentinos compraram US$ 194 milhões em mercadorias paranaenses no mês passado, 35% a mais que em janeiro e 53% acima do valor de fevereiro do ano passado. Em ambos os casos, a expansão foi superior ao crescimento médio das vendas totais do Paraná, de 11% e 22%, respectivamente.

Mas o aquecimento do comércio com a Argentina concentrou-se em apenas duas categorias de produtos. As exportações de combustíveis – principalmente diesel e óleo combustível – e veículos e peças somaram US$ 144 milhões, três quartos do total, valor bem superior ao de janeiro (US$ 84 milhões) e fevereiro do ano passado (US$ 75 milhões). Desconsiderando esses dois grupos, os embarques paranaenses à Argentina teriam recuado 16% em relação a janeiro e 3% sobre fevereiro de 2011.

Não há explicação clara para essa forte expansão. Uma possibilidade é que em fevereiro foram realizadas exportações que já haviam sido contratadas e autorizadas anteriormente pelo governo argentino – que no mês passado passou a exigir das empresas locais, entre outros papéis, uma declaração juramentada dos produtos que pretendem importar.

Outra hipótese é que as montadoras de veículos – que têm grande poder de articulação, filiais na Argentina e ainda a proteção do regime automotivo entre os dois países – não tenham enfrentado as mesmas dificuldades que outros setores e principalmente empresas de pequeno porte passaram a enfrentar.

De 70 categorias de produtos que os argentinos habitualmente compram do Paraná, 47 tiveram em fevereiro resultados piores que os de janeiro – destas, 13 reduziram suas vendas a zero no mês passado. No confronto com o mesmo mês de 2011, 35 grupos perderam receita em fevereiro, e sete deles não conseguiram exportar um dólar sequer ao país vizinho.

Entre as empresas que sofreram quedas expressivas nas duas comparações estão fabricantes de papel (baixa de 49% nas exportações em relação a janeiro e de 37% sobre fevereiro de 2011); plásticos (-28% e -22%, respectivamente); madeira (-69% e -40%); produtos químicos (-40% e -47%); e chocolates (-86% e -77%).

Fonte: Gazeta do Povo – 16/03/2012

imprensa@faep.com.br
Agência de Internet PontoCom