Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 16/01/2012 - 12h00
Postado em Notícias

16/01/2012 12h00 - Postado em Notícias

Valorização da batata não é suficiente para remunerar o produtor no Paraná, diz engenheiro do Deral

Segundo Márcio Jacometti, vegetal se valorizou devido à redução de área plantada e à menor produção no Estado

O preço da batata está aumentando no Paraná. O principal motivo da valorização é a diminuição da área plantada no Estado e em outras regiões do país. O aumento, porém, deve ser insuficiente para renumerar o produtor.

Segundo o engenheiro agrônomo do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Márcio Jacometti, além da diminuição da área plantada, o excesso de umidade atrapalhou a colheita, o que ajudou a valorizar a batata no mercado. Essa valorização, porém, deve durar pouco.

– A área do Paraná reduziu em torno de 10%. Outros Estados também tiveram redução de área. Isso acaba diminuindo a produção e, consequentemente, elevando o preço. Associado a isso, tivemos problemas com o excesso de umidade na semana passada, o que atrapalhou a colheita da batata no Estado. Na metade dessa semana em diante, porém, a colheita deve voltar ao normal e os preços voltam a cair.

O Paraná vai produzir, este ano, cerca de 340 mil toneladas de batata. No ano passado, a produção ficou em torno de 390 mil toneladas, o que representa 50 mil toneladas a menos no mercado em 2012. A diminuição na produção fez o mercado reagir, mas os preços ainda não são suficientes para pagar os gastos do produtor.

– O mercado, de certa forma, reagiu. No ano passado, vendíamos batata nessa época do ano a R$ 8, R$ 10 a saca de 50 quilos. Este ano, estamos trabalhando com a perspectiva de vender a R$ 15, R$ 16 a saca. Embora esse preço tenha subido, ainda é muito baixo comparado com o custo que o produtor tem.

De acordo com o engenheiro, quando a colheita voltar ao normal, deverá haver uma nova pressão para baixo.

– Na semana passada, estávamos trabalho com R$ 20 a saca. Logo, deve voltar ao patamar de R$ 15. Há uma tendência de estabilizar o preço em torno de R$ 15.

Fonte: Canal Rural

imprensa@faep.com.br