Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 29/06/2011 - 12h00
Postado em Notícias

29/06/2011 12h00 - Postado em Notícias

Paraná pode gerar R$ 5,1 bilhões em negócios como área livre da aftosa

A estratégia traçada para que o Paraná possa obter o reconhecimento de área livre de febre aftosa, sem vacinação, poderá custar em torno de R$ 3,68 bilhões ao governo e à iniciativa privada num período de 20 anos. Em compensação, nesse mesmo período a economia paranaense poderá acumular benefícios avaliados em R$ 5,1 bilhões. O […]

A estratégia traçada para que o Paraná possa obter o reconhecimento de área livre de febre aftosa, sem vacinação, poderá custar em torno de R$ 3,68 bilhões ao governo e à iniciativa privada num período de 20 anos. Em compensação, nesse mesmo período a economia paranaense poderá acumular benefícios avaliados em R$ 5,1 bilhões. O valor representa um ganho de aproximadamente 20% aos produtores em relação ao status atual e a injeção de novos recursos na economia do Estado.

Essa avaliação consta do estudo técnico sobre o Impacto Econômico da Suspensão da Vacinação contra a Febre Aftosa apresentado segunda-feira (27) em reunião do Conselho Estadual de Sanidade Agropecuária (Conesa), presidida pelo secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

O estudo foi realizado em parceria entre a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), com apoio da consultoria do Centro de Estudos em Economia, Meio Ambiente e Agricultura do Departamento de Economia da Universidade de Brasília.

O estudo já foi apresentado ao governador Beto Richa que sinalizou de forma positiva que o Estado pretende cumprir as etapas que devem ser percorridas para estabelecer um padrão de sanidade que tenha o reconhecimento internacional da qualidade dos produtos paranaenses, disse Ortigara.

AGÊNCIA – Entre as responsabilidades do governo estadual, está a criação da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) e dotar o serviço público de sanidade agropecuária de infraestrutura capaz de controlar não só um possível surto de febre aftosa como as demais doenças e pragas que possam atingir a produção agropecuária.

O estudo técnico realizado em conjunto pelos médicos veterinários Silmar Bürer, da Secretaria da Agricultura, e Celso Fernando Dias Dôliveira, da Faep, seguiu à risca a metodologia universal de análise de custos e benefícios. Ele comprova que há um ganho de 20% se for adotada a estratégia de suspensão da vacinação contra febre aftosa recomenda por estudos técnicos.

Parte do ganho é proporcionado por custos não realizados com a suspensão da vacinação contra febre aftosa, como compra da vacina, custo com vacinadores, com vacinação assistida pela Secretaria a cerca de 8.000 propriedades que normalmente acontece. Para cada dólar obtido com a exportação de carnes, cerca de US$ 0,70 é injetado na economia do Estado, calculam os técnicos.

O superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural no Paraná (Senar-PR), Ronei Volpi, disse que agora o Estado dispõe de uma ferramenta poderosa de análises de custo e benefício. Segundo ele, essa decisão deve seguir à risca as recomendações técnicas e científicas para dar segurança, proteção e competitividade ao produtor rural. "Não podemos buscar apenas a retirada da vacina contra a febre aftosa, mas sim a eficiência sanitária para evitar perdas como ocorreram no Paraná em outros momentos", afirmou.
Áudio:

Confira o áudio desta notícia

Fonte: AEN

imprensa@faep.com.br
Agência de Internet PontoCom