Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 31/08/2010 - 12h00
Postado em Notícias

31/08/2010 12h00 - Postado em Notícias

Na Argentina, cultivo de trigo pode avançar 21% neste ciclo

Às vésperas de completar o plantio, a Argentina faz contas e observa que a área cultivada do trigo deverá alcançar 4,244 milhões de hectares nesta safra, segundo o Ministério da Agricultura. Pelas projeções oficiais, o crescimento em relação à temporada 2009/10 chegou a 21%. O governo não divulgou estimativas de produção. Para a consultoria Agritend, […]

Às vésperas de completar o plantio, a Argentina faz contas e observa que a área cultivada do trigo deverá alcançar 4,244 milhões de hectares nesta safra, segundo o Ministério da Agricultura. Pelas projeções oficiais, o crescimento em relação à temporada 2009/10 chegou a 21%.

O governo não divulgou estimativas de produção. Para a consultoria Agritend, a safra de trigo 2010/11 deverá atingir 10,5 milhões de toneladas. É um avanço frente à colheita passada, que beirou 7,5 milhões de toneladas, em meio à forte estiagem vivida pelo campo argentino durante o plantio. Isso fez com que a área plantada fosse a menor em 111 anos. Os números do atual plantio, que já foi 99% concluído, evidenciam uma trajetória de recuperação moderada: ainda ficam aquém dos 17 milhões de hectares em 2007.

O último boletim semanal da Bolsa de Cereais de Buenos Aires indica que o plantio estará finalizado "nos primeiros dias de setembro". A entidade mencionou a aposta de produtores em "algumas coberturas adicionais realizadas fora de época e impulsionadas pela alta do preço do grão", mas não houve mudança significativa.

As exportações de trigo da Argentina, destinadas quase integralmente ao Brasil, são taxadas em 23% e estão submetidas a autorizações do governo. Para dar mais previsibilidade aos exportadores, o Ministério da Agricultura adiantou recentemente permissões para o embarque de 3,5 milhões de toneladas. Na safra passada, o Brasil teve que recorrer a outros fornecedores para complementar a produção nacional e atender a demanda.

Por Daniel Rittner

Fonte: Valor Econômico

imprensa@faep.com.br