Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 18/04/2011 - 12h00
Postado em Notícias

18/04/2011 12h00 - Postado em Notícias

Governo do PR faz alerta sobre venda de agrotóxicos pela internet

A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento está intensificando a fiscalização do comércio de insumos e agrotóxicos no Paraná. O alerta está sendo feito principalmente para a venda de produtos pela internet, ou ainda de promoções feitas por meio de telefonemas de vendedores de outros estados. O engenheiro-agrônomo Adriano Riesemberg, chefe da divisão de Fiscalização […]

A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento está intensificando a fiscalização do comércio de insumos e agrotóxicos no Paraná. O alerta está sendo feito principalmente para a venda de produtos pela internet, ou ainda de promoções feitas por meio de telefonemas de vendedores de outros estados. O engenheiro-agrônomo Adriano Riesemberg, chefe da divisão de Fiscalização de Insumos da Secretaria, alerta que o agricultor deve ficar atento a esse tipo de abordagem que podem gerar sérios prejuízos à lavoura.

Segundo Riesemberg, o agricultor deve ser orientado por um engenheiro-agrônomo para saber se realmente é necessário o uso do produto que está desejando comprar. "Esta é a maneira correta ao adquirir insumos para a lavoura", disse. "E ao comprar deve estar com o receituário agronômico em mãos, e depois adquiri-lo em locais devidamente registrados junto à Secretaria da Agricultura", explicou.

A Secretaria já dispõe de um Sistema de Prescrição e Uso de Agrotóxicos do Estado do Paraná (Siagro) que interliga, por intermédio de uma central informatizada, os 3,4 mil pontos de vendas desses produtos no Estado. Esses dados eletrônicos são armazenados junto ao Departamento de Fiscalização Agropecuária (Defis). "Mas o agricultor deve ficar atento a algumas novas maneiras que estão surgindo no comércio de agrotóxicos", explica Riesemberg ao falar sobre recente fiscalização e interdições feitas no interior do Estado.

No caso, foi o próprio agricultor que chamou a fiscalização por suspeitar do produto que lhe haviam oferecido através de um telefonema de vendedores de outro Estado.

"Primeiro ele desconfiou dessa ligação, pois não havia feito nenhuma compra pela internet, ou mesmo procurou o determinado agrotóxico. Ele desconfiou da ligação. Perguntou se o produto vinha com nota fiscal, se tinha o receituário agronômico. Os vendedores disseram que sim, e que lhe enviariam depois o boleto para o pagamento", disse Riesemberg.

Outra desconfiança nessa negociação foi o valor oferecido para o agrotóxico, que em média custa no mercado R$ 110 o galão. O preço oferecido pelos vendedores estava em R$ 70. "O agricultor chegou a questionar essa diferença. O argumento utilizado por eles era de no seu Estado, no caso São Paulo, havia uma tributação diferenciada, e além disso uma relação direta com a multinacional que ajudava a baratear o custo final do veneno". O agricultor ficou com um pé atrás, e comprou apenas um galão do produto. Quando recebeu o pedido, viu que o galão era flácido, cedia facilmente a pressão. Além disso a bula tinha escritos com coisas erradas, e o receituário prometido também não foi entregue.

Segundo Riesemberg, o agricultor corre o risco de muitas vezes comprar um produto falsificado, que não dará nenhum resultado na sua lavoura. "Em algumas das vezes eles colocam só metade do reagente ativo, da formulação dentro desse galão. Ou ainda misturam outro fungicida de preço bem menor no mercado, mas também de menor eficiência, ou não colocam nada".

RESPONSABILIDADE
 A origem do produto comprado pela internet ou por telefone também é questionado pelo técnico da Secretaria. "O produto pode ter sido contrabandeado de outros países, como Argentina e Paraguai, e que não apresentam garantia alguma", diz. Outro detalhe levantando é que o produto oferecido muitas vezes pela metade do preço pode ter sido roubado. "E aí nesse caso o agricultor corre o risco de estar colaborando com um crime, e também pode responder por isso".

A divisão de Fiscalização de Insumos está presente em todo Paraná. São 42 engenheiros agrônomos fiscais distribuídos em 20 núcleos regionais, todos atuando em seis áreas de ação, sob coordenação do Defis que busca promover a qualidade e a idoneidade dos insumos e dos serviços agrícolas oferecidos aos produtores, fatores fundamentais para a sanidade das culturas, segurança alimentar e sustentabilidade da agricultura paranaense.

Fonte: Agência Estadual de Notícias

imprensa@faep.com.br
Agência de Internet PontoCom