Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 18/10/2010 - 12h00
Postado em Notícias

18/10/2010 12h00 - Postado em Notícias

Consumo de frango já supera o da carne bovina

Consumo de frango já supera o da carne bovina

Nada como um bom tempero para dar jeito. A carne está mais cara e é hora de apelar ao franguinho ou o pescado para não deixar o orçamento desandar. As opções já ganham mais espaço no cardápio,com preços vantajosos. A troca de ingredientes é boa para quem cuida da saúde.
"Estamos comendo mais carne suína, miúdos de galinha, coisas que não costumávamos, por causa do preço da carne. Só não compramos mais peixe porque o preço é absurdo e rende menos", contam as amigas Andrea Ferreira e Simone Gomes.
A estudante Letícia Freitas cozinha para a família e incluiu mais frango na dieta. O taxista Floriano Marques também tem preferido o frango. "Não deixo de comprar carne, mas reduzi bastante", diz.
Não faltam opções para deixar o prato nutritivo e saboroso sem carne bovina. De acordo com Domingos Martins, da União Brasileira de Avicultores (Ubabef), o consumo de aves barrou o de carne vermelha desde 2008.
A Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) revela ainda que o consumo de derivados de porco também cresce. Nas próximas semanas, o preço da carne vermelha deve subir menos. Na primeira semana de outubro, a alta chegou a 5,42%, segundo o economista André Braz, da Fundação Getúlio Vargas.
Braz, que atribui a elevação a falhas de planejamento, avisa que os preços do frango, peixe e porco subiram afetados pela demanda maior, mas em escala menor. Com preços em queda, a sardinha é a melhor pedida.

A cada R$ 10, R$ 2,50 gastos com frango
O aumento do consumo do brasileiro é notado nas vendas de alimentos, com destaque para as aves e o frango em especial. "De cada R$ 10 a mais na renda, o consumidor compra mais R$ 5 em comida e metade disso no frango", defende Domingos Martins, da Ubabef. De acordo com a CONAB, a produção subiu 12,77% no primeiro semestre deste ano e o consumo anual por pessoa, em 2009, foi de 38,6 quilos, contra 32,8 quilos em 1994. Já a carne bovina ficou em 35,2 quilos.

Fonte: O Dia – RJ

imprensa@faep.com.br