Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 13/08/2010 - 12h00
Postado em Notícias

13/08/2010 12h00 - Postado em Notícias

Cepea: estoques elevados limitam reajustes do trigo no Brasil

Cepea: estoques elevados limitam reajustes do trigo no Brasil

As cotações do trigo no mercado brasileiro estão reagindo de forma lenta – em algumas regiões não chega a haver mudança – às altas expressivas dos preços internacionais. Segundo pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, no Brasil, há oferta suficiente para atendimento da demanda de curto prazo e a colheita está se aproximando nas regiões paranaenses, maior estado produtor de trigo no País.

Nas bolsas internacionais de referência dessa commodity, de fato, os preços tiveram fortes altas devido ao clima seco na Europa, Canadá, Austrália e, principalmente, na Rússia. Em relação ao último dia de junho, quando as cotações em bolsas internacionais começaram a reagir, o primeiro vencimento (contrato futuro) na CME/CBOT acumulou alta de 49,5% até essa quarta-feira.

Apesar da estimativa de quebra de safra em grandes países produtores, pesquisadores do Cepea lembram que os estoques mundiais de passagem continuam nos maiores níveis históricos, o que manteve os preços em baixa durante todo o primeiro semestre de 2010. Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), os estoques de passagem da safra 2009/10 foram de 193 milhões de toneladas, um recorde. "As estimativas de agosto para a safra 2010/11, divulgadas hoje, apontam que a menor oferta e o maior consumo reduzirão os estoques, mas ainda devem ser de 174,76 milhões de toneladas, um dos maiores do histórico", comenta o professor da Esalq/USP Lucilio Rogerio Alves, responsável pelas pesquisas sobre grãos no Cepea.

Na última semana, as cotações futuras do trigo nas duas principais Bolsas norte-americanas para essa commodity (Kansas e Chicago) oscilaram expressivamente, chegando a atingir os maiores valores dos últimos anos, mas voltaram a cair na sexta-feira, mantendo essa tendência no começo desta semana. As altas estiveram relacionadas às condições climáticas desfavoráveis na Rússia, enquanto as baixas foram justificadas pela realização de lucro e também citações sobre os altos estoques.

Enquanto isso, no Brasil as variações de preços seguem pequenas, conforme pesquisas do Cepea. Alguns números podem ajudar neste entendimento. De acordo com a Conab, o consumo interno é estimado em 10,2 milhões de toneladas nas safras 2009/10 e 2010/11, considerando o período de agosto de um ano a julho do ano seguinte. Desse total, pouco mais de 5 milhões são produzidos internamente e a outra metade é importada – principalmente da Argentina.

Segundo a equipe Cepea, do produto da safra 2009/10, colhido em 2009, pouco mais de 3 milhões de toneladas ficaram vinculados aos leilões de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP), cujos leilões foram efetuados entre final de 2009 e início de 2010. Esse produto deveria ser adquirido pelos compradores nos primeiros quatro meses de 2010, com a comprovação do escoamento podendo ser feito até esta primeira quinzena de agosto. Além disso, nos primeiros seis meses de 2010, foram importadas 3,4 milhões de toneladas de trigo e 301,3 mil toneladas de farinha de trigo.

Pesquisadores do Cepea chamam a atenção para que essas quantidades significam 64% do consumo anual. Considerando toda a disponibilidade de produto da safra 2009/10 (estoque inicial + produção + importação) e descontando o consumo e exportação, o ano-safra 2010/11 iniciou neste mês de agosto com mais de 2,4 milhões de toneladas de trigo em estoques nas mãos da iniciativa privada e do Governo, que adquiriu 1,2 milhão de toneladas via Aquisição do Governo Federal (AGF). Agora, em agosto, começa ainda a colheita no Paraná, com oferta maior que a de 2009.

"Vê-se, portanto, que não há motivo para pressão compradora, o que justifica a continuidade dos preços do grão e dos derivados em patamar relativamente estável no País", comenta o pesquisador do Cepea Lucilio Alves. Ele destaca ainda a expectativa de crescimento da área cultivada na Argentina – motivada pelos maiores preços externos -, principal fornecedor de trigo ao Brasil.

Apesar disso, boa parte dos colaboradores do Cepea que atuam em indústrias moagerias já indica que a partir da próxima semana haverá reajustes nas tabelas de preços das farinhas. Até esta semana, as cotações dos derivados permanecem com poucas variações.

Pesquisas do Cepea mostram que, na semana passada (2 a 6 de agosto), a cotação média da farinha especial (tipo 1), em sacas de 50 kg, teve leve redução de 0,78% em relação à média da semana anterior – considerando-se sete regiões pesquisadas pelo Cepea, distribuídas pelos estados do RS, SC, PR, SP e região Nordeste do País. A farinha comum (tipo 2) também recuou, 0,52%, no mesmo período.

Quanto aos preços do trigo, mesmo com baixa liquidez e valores nominais na maioria dos casos, entre 02 e 11 de agosto, o valor médio pago ao produtor paranaense subiu 2,92% e, no mercado disponível (lotes), a alta foi de 3,79%, aponta o Cepea. No Rio Grande do Sul, o preço no mercado de balcão subiu 2,54% na região de Passo Fundo, mas em Ijuí oscilaram negativamente. No mercado de lotes, considerando a média dessas praças, houve valorização de 5,71%, segundo o Cepea.

imprensa@faep.com.br