Logotipo Sistema FAEP

Data da Publicação: 19/03/2012 - 12h00
Postado em Notícias

19/03/2012 12h00 - Postado em Notícias

Argentina impõe cota para carne suína brasileira

BUENOS AIRES – O governo da presidente Cristina Kirchner arrancou do Brasil um compromisso para limitar a entrada de carne suína brasileira no mercado argentino. Os exportadores brasileiros terão de aceitar as cotas exigidas pela administração Kirchner. A decisão sobre as cotas – medida que viola o espírito de livre comércio do Mercosul – foi […]

BUENOS AIRES – O governo da presidente Cristina Kirchner arrancou do Brasil um compromisso para limitar a entrada de carne suína brasileira no mercado argentino.

Os exportadores brasileiros terão de aceitar as cotas exigidas pela administração Kirchner. A decisão sobre as cotas – medida que viola o espírito de livre comércio do Mercosul – foi o resultado das negociações ontem entre o ministro da Agricultura do Brasil, Jorge Mendes Ribeiro, e seu colega argentino, Norberto Yahuar.

Os produtos suínos brasileiros estavam há meses na mira de Cristina que, em fevereiro, bloqueou praticamente todas as importações brasileiras do setor. Esta é a "quarta guerra suína" entre os dois países nos últimos 17 anos. Em todas, desde os tempos do ex-presidente Carlos Menem (1989-99), a Argentina sempre venceu.

Em coletiva na Embaixada do Brasil em Buenos Aires, Ribeiro afirmou que a cota será definida, entre os dois governos na próxima semana, mas deve ficar "entre 3 mil e 3,5 mil toneladas mensais". Nessas conversas, técnicos dos dois países também definirão o prazo que o acordo terá. "Estou extremamente feliz", destacou Ribeiro.

Segundo o ministro, em fevereiro, por causa das barreiras argentinas, somente haviam entrado no mercado argentino 400 toneladas de cane suína. "E, passar de 400 toneladas para uma garantia de 3 mil, é muito bom."

Apesar das alegações argentinas sobre uma "avalanche" de produtos brasileiros, a balança comercial na área agrícola é favorável para a Argentina, que exporta para o Brasil US$ 4 bilhões. Na contramão, o Brasil vende US$ 710 milhões em produtos agropecuários para o mercado argentino.

Fonte: Estadão – 19/03/2012

imprensa@faep.com.br